Rooney faz críticas ao governo britânico em relação à forma como foi tratado o coronavírus no país

Em coluna escrita no jornal ‘Sunday Times’, o atacante inglês fez menção ao primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson

Manoel Rodrigues
Meu nome é Manoel Rodrigues. Gosto muito de falar e escrever sobre futebol nacional e internacional, esportes americanos, vôlei, MMA e outros. Mas acima de tudo, sou alguém que é guiado por Deus e deseja levar o reino de Deus a todas as áreas da sociedade. Esse pode ser um canal para isso.

Crédito: Twitter Oficial Wayne Rooney (@WayneRooney)

O ex-jogador do Manchester United, e que atua nesse momento no Derby County, da segunda divisão inglesa, Wayne Rooney, escreveu uma coluna para o jornal ‘Sunday Times’.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Ele disse, afinal, que os jogadores de futebol foram tratados de maneira terrível durante a crise por conta do surto de coronavírus.

Rooney é pai de quatro filhos, e fez críticas direcionadas principalmente ao primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. O político teria se esquivado de questões importantes relacionadas ao esporte e ao possível fechamento das escolas.

O atleta afirmou: “No Derby, sentamos no treinamento na quinta-feira, esperando Boris Johnson falar. As pessoas estavam ansiosas. Ouvimos pela manhã que três jogadores do Leicester City haviam mostrado sintomas de coronavírus. Iríamos jogar em Millwall, que havia jogado no fim de semana passado contra o Nottingham Forest, cujo dono (Evangelos Marinakis) deu positivo para o vírus. Nossa preocupação não era com nós mesmos – somos fortes o suficiente para superar isso – mas nossas famílias, nossos amigos, todos com quem entramos em contato. Nós já estávamos pensando duas vezes em continuar e sei por amigos durante todo o jogo que não estávamos sozinhos. Acho que ninguém no futebol queria jogar. Johnson não falou até as cinco da tarde. Naquela época, eu estava de volta em casa, esperando ele entrar. Uma das coisas que eu queria saber era sobre as escolas. Tenho quatro filhos pequenos. Ele disse que as escolas estão bem, vamos continuar, e o que ele disse sobre esportes foi: ‘Nós vamos tomar uma decisão sobre isso mais tarde’. Você pensa: ‘Ele se esquivou, deixou a Football Association e a Premier League para tomar a decisão”.

Futebol em segundo plano

Da mesma forma, Rooney criticou a Premier League pela demora  em tomar a decisão, e também como foram tratados de formas distintas, o Leicester e o Arsenal. Mesmo assim, achou acertado parar o futebol, pelo risco que se corria, e que a vida e a família são mais importantes que o futebol.

“Felizmente, o futebol tomou a decisão certa no final. Tivemos que adiar a temporada. O futebol é um jogo que todos amamos, todos assistimos, todos jogamos, mas quando algo como o coronavírus acontece – quando é uma crise mundial – você precisa tomar decisões. Algumas pessoas não ficarão felizes, mas acho que, neste caso, o futebol deve ficar em segundo lugar. É um esporte. É apenas um esporte. Se a vida das pessoas está em risco, isso tem que vir em primeiro lugar, independentemente de você ganhar o título da liga, tentar entrar na Europa ou ser rebaixado ou promovido. Mas por que esperamos até sexta-feira? Por que Mikel Arteta ficou doente para a Inglaterra fazer a coisa certa?

Preocupação com a família

Definitivamente, Rooney ficou preocupado com a sua família e não perdoaria as autoridades caso alguém ficasse gravemente doente.

“Para os jogadores, funcionários e suas famílias, foi uma semana preocupante – em que você sentiu falta de liderança do governo,  da Football Association e da Premier League. Espero que aprendamos com isso, porque a próxima decisão é tão grande quanto: quando começamos a jogar de novo? Para mim, isso só pode acontecer uma vez, para jogadores, fãs e todos os outros, é absolutamente seguro. Os poderes têm que acertar isso. Eu sei como me sinto: se alguém da minha família for infectado por mim porque eu tive que jogar quando não é seguro, e eles ficarem gravemente doentes, eu teria que pensar muito em voltar a jogar. Eu nunca perdoaria as autoridades. Esse é um jogo de milhares de jogadores, mas aposto que muitos de nós sentimos o mesmo”.

Mais críticas ao governo

O jogador escreveu ainda mais sobre o governo, em relação ao posicionamento para grandes eventos com muitas pessoas.

“Johnson disse: ‘Vai piorar, as pessoas vão morrer’. Ok, então por que não tentar se antecipar? Por que esperar para estar na posição em que a Itália se encontra tristemente? Eu não podia acreditar que o Festival de Cheltenham apenas continuou, por exemplo: multidões de pessoas se amontoavam, mas elas deixaram ir. Não me surpreenderia se Boris tivesse em um cavalo correndo…”.

LEIA MAIS

Rooney lembra ida com Cristiano Ronaldo ao McDonald’s: ‘Ele queria ganhar peso, pois era muito magro’