Ex-presidente do Corinthians ‘ataca’ Bandeira de Mello e relembra saída de Guerrero: “Ele jogou no Flamengo? Não vi”

Após a saída conturbada do Corinthians, Paolo Guerrero também deixou o Flamengo pela porta dos fundos em 2018

Danielle Barbosa
Colaborador do Torcedores

Crédito: Rodrigo Coca/Flamengo

Herói do Corinthians no título do Mundial de Clubes conquistado em 2012, diante do Chelsea, o atacante Paolo Guerrero deixou o clube pela porta dos fundos em 2015, ao ser liberado pela diretoria alvinegra da época às vésperas de um dérbi contra o Palmeiras. O presidente corintiano era Roberto de Andrade, que durante participação em uma live no canal do Youtube do jornalista Jorge Nicola, falou sobre a saída do peruano.

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

De acordo com o ex-mandatário do Corinthians, Guerrero recebeu uma proposta de R$ 46 milhões, entre luvas e salários, do Flamengo. “Como eu ia assinar uma renovação com o Guerrero, na ordem de R$ 46 milhões, e deixar os outros jogadores. Falei para ele: vá com Deus. Ele foi embora e nós fomos campeões. Deus ajuda quem faz as coisas direito. Não adianta eu quebrar o Corinthians para ter o Guerrero”, explicou.

Roberto de Andrade ainda aproveitou para ‘atacar’ o ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello. “Ele (Guerrero) jogou no Flamengo? Eu não vi, não vi. Só que o Flamengo pagou. Essa história que o ‘seo’ Bandeira fez uma gestão para economizar, asfaltando tudo para essa nova diretoria, é conversa para boi dormir. Tentou montar time para ser campeão três ou quatro vezes, gastou o que não tinha, ficou devendo”.

“O que salvou o Flamengo foi vender 300 e tantos milhões de jogador. Hoje todo mundo enaltece a gestão de mão de ferro do Bandeira, que não gastou. Como é que não gastou? Pagou R$ 46 milhões no Guerrero. E estou falando de um jogador só”, avaliou Andrade, que ainda destacou que quem entrou para a história do Flamengo foi Rodolfo Landim, atual presidente do clube rubro-negro.

“Repercute todo dia esse assunto na televisão. ‘Ah, agora estão dando valor para o Bandeira’. Valor do quê? Quem está na história, o Bandeira ou o Landim? Então tá bom”, completou.

Na época da saída de Guerrero, o então gerente de futebol do clube, Edu Gaspar, concedeu uma entrevista para explicar a dispensa do atacante. “Estou representando o presidente Roberto de Andrade. A partir de hoje, Paolo Guerrero não faz mais parte do nosso elenco, está liberado. Não vai mais participar das nossas atividades. Hoje já está liberado, não vai participar do jogo contra o Palmeiras. Nós, como clube, liberamos para que ele possa seguir a vida que deseja”

“Gostaria de falar a verdade, 100%, sem omitir nenhum tipo de informação. Ontem o Roberto de Andrade recebeu uma ligação do agente do atleta, explicando o desconforto que ele está vivendo dentro do clube. E aí veio o pedido de liberação. Logo após a ligação, o presidente veio ao CT, esteve comigo, Tite e comissão técnica. Expôs o problema. Achamos conveniente liberar o atleta, porque queremos todos 100% envolvidos aqui e com a cabeça aqui. Queremos todos os atletas aqui de corpo e alma”, completou na ocasião.

LEIA MAIS:
Andrés Sanchez admite chateação com Tiago Nunes e ironiza: “Ele devia estar no Barcelona”
Ex-presidente do Corinthians detona Pato por ‘cavadinha’ em 2013: “Nem Pelé fez, quem é ele para fazer?”
Andrés Sanchez  admite que pode ter errado em comunicação com Jadson e Ralf, mas minimiza: “Ganhavam para jogar futebol”