Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Meia acusa Cuca de cobrar dinheiro para escalar dupla no Atlético; técnico rebate

Ex-Atlético, Danilinho declarou que técnico cobrou para escalar Berola e Guilherme; Cuca se defende das acusações

Eder Bahúte
Jornalista e assessor de imprensa.

Crédito: Bruno Cantini

Durante uma live no Instagram, o meia Danilinho, ex-Atlético, afirmou que Cuca cobrava dinheiro para escalar Neto Berola e Guilherme, em 2012, quando dirigia o Galo. Naquele ano, o time brigava com o Fluminense pelo título do Campeonato Brasileiro.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

“Não fomos campeões no Atlético Mineiro em 2012, mesma coisa, porque o Cuca cobrava dinheiro do Berola e do Guilherme. Que eu prove? Que provem eles. Aqui digo o que tenho que dizer a vocês”, disse o meia.

O que diz Cuca sobre a declaração de Danilinho?

Em contato com o jornal O Tempo, Cuca prontamente negou as afirmações do jogador. O treinador ainda detalhou o comportamento ruim do atleta nos tempos de Atlético.

“Dou risada disso. O Berola e o Guilherme nem eram titulares meus. Então eu cobrava para deixá-los no banco? (risos). Isso é cachaça. Não dou nem bola para isso. Não tem fundamento nenhum. Fico triste porque é um cara que podia ter ficado quieto e ter sido campeão junto. Infelizmente, era um cara que não se cuidava, que não era de grupo e acabou saindo. Hoje ele apela desse jeito. Para mim, não me fere em nada. Na minha vida, pode levantar tudo que não vai achar nada de errado”, afirma Cuca.

Guilherme

“Eu não vi a live, se realmente ele falou isso foi muito infeliz. Até acredito que na ‘várzea’ possa acontecer isso, mas estamos falando de um clube gigantesco e com grandes profissionais, em um esporte de alto rendimento. Agora, se ele não conseguiu se consolidar enquanto eu joguei, deveria ter buscado outra justificativa. Obviamente que isso não me ofende, porque nunca existiu isso. Fatalmente ele já deve ter se arrependido de falar isso”.

LEIA MAIS: