Há quatro anos Portugal vencia a França sem CR7 na final da Euro e criava herói improvável

Craque se lesionou aos 25 e perdeu praticamente toda a decisão

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Lars Baron/Getty Images

Cristiano Ronaldo ajudou e muito Portugal a chegar à final da Eurocopa de 2016, mas na ‘hora H’ ficou fora de praticamente toda a decisão e viu um herói improvável aparecer para dar a taça histórica para os lusos.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes
https://www.facebook.com/TorcedoresOficial

Há exatos quatro anos o atacante Éder, então criticado por parte da imprensa e torcedores, brilhou na final da Eurocopa e deu o primeiro título da história de Portugal.

Relembre o gol de Éder:

Caminho árduo para a final
Portugal não fez boa Eurocopa e sua chegada à final foi surpreendente pelo futebol apresentado anteriormente.

A seleção de Cristiano Ronaldo fez primeira fase ruim e empatou todos os três jogos da chave, se classificando como um dos melhores terceiros colocados com apenas três pontos, atrás de Hungria e Islândia, que fizeram cinco.

A equipe chegou às oitavas de final para encarar a Croácia e conseguiu a vitória com gol já na prorrogação.

Nas quartas o adversário foi a Polônia, que fez o confronto mais duro contra os portugueses e levou a partida para os pênaltis. O time de Cristiano Ronaldo venceu por 5 a 3 nas penalidades e foi para a semi.

O confronto anterior à decisão foi contra a zebra País de Gales, de Gareth Bale, que fez campanha histórica, mas parou em derrota por 2 a 0 para Portugal.

A final foi truncada e contou com a lesão de Cristiano Ronaldo logo aos 25 minutos para dificultar a vida de Portugal.

Herói do título, Éder entrou em campo aos 35 minutos do segundo tempo na vaga de Renato Sanches e marcou o gol da vitória aos 4 minutos da etapa final da prorrogação.

Escalações da partida

Portugal: Rui Patrício; Cédric, Pepe, José Fonte e Raphael Guerreiro; William Carvalho, Renato Sanches (Éder), Adrién Silva (João Moutinho) e João Mario; Nani e Cristiano Ronaldo (Quaresma). Técnico: Fernando Santos

França: Lloris; Sagna, Koscielny, Umtiti e Evra; Sissoko (Martial), Pogba, Matuidi e Payet (Coman); Griezmann e Giroud (Gignac). Técnico: Didier Deschamps

Leia mais:
Caio Ribeiro explica porque deixou a Inter de Milão e revela briga com treinador: “queria matar ele”