A loucura de Marcelo Bielsa (PARTE V) – Os novos desafios de “El Loco” no Leeds United e na Premier League

Luiz Ferreira encerra a série de reportagens especiais sobre a carreira do treinador argentino na coluna PAPO TÁTICO; quinta e última parte aborda o trabalho no Leeds United na Premier League e a indicação a melhor técnico do ano pela FIFA

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Reprodução / Facebook / Leeds United

Em mais de trinta anos de carreira, Marcelo Bielsa deixou um legado imenso e uma série de admiradores no futebol mundial. E isso sem conquistar tantos títulos de expressão como Pep Guardiola, Jorge Sampaoli e outros dos seus seguidores. Mesmo assim, “El Loco” segue altamente respeitado e reverenciado por onde passa. E para a alegria dos amantes do velho e rude esporte bretão bem jogado, Bielsa finalmente chegou à Inglaterra, país com uma das ligas mais fortes do mundo. Contratado pelo Leeds United em julho de 2018, o treinador argentino foi um dos grandes responsáveis pelo retorno dos “Peacocks” à elite do futebol inglês. O TORCEDORES.COM (através da coluna PAPO TÁTICO) aborda a “Bielsamania” que surgiu em Leeds após o título da Championship e os desafios na Premier League são os assuntos do último capítulo do nosso especial sobre a “loucura” de Marcelo Bielsa.

A estreia de “El Loco” aconteceu justamente contra o Liverpool de Jürgen Klopp. Apesar da derrota por 4 a 3, a atuação do Leeds United foi bastante elogiada pela imprensa inglesa e pelos torcedores. Assim como aconteceu em várias das suas equipes, os “Peacocks” abusavam da troca de posição, da intensidade e da já amplamente divulgada “polifuncionalidad” (a tão buscada versatilidade). Curiosamente, Marcelo Bielsa não vem usando o seu 3-3-1-3 preferido no Leeds, e sim um 4-1-4-1 bem organizado e que se desdobra nos mais diferentes desenhos táticos ao longo da partida. A vitória sobre o Fulham (no dia 19 de setembro) explica muito bem como a equipe da região de Yorkshire vem assimilando bem os conceitos do treinador argentino. Não é raro ver meias interiores atacando pelos lados e “pontas” vindo por dentro. E isso sem falar na sufocante marcação alta dos “Peacocks”.

Marcelo Bielsa apostou num 4-1-4-1 de muita movimentação ofensiva e forte pressão pós perda para vencer o Fulham na segunda rodada da Premier League. Destaque para as atuações de Hélder Costa, Bamford e do brasileiro naturalizado Rodrigo e para a intensidade colocada pela equipe desde a saída de bola na defesa.

Um dos jogadores que mais se destacam dentro da equipe do Leeds United é o volante Kalvin Phillips. Não somente pela força na marcação e pela inteligência na cobertura dos espaços, mas pela maneira como participa da construção das jogadas. É um dos jogadores mais versáteis da equipe. E isso sem mencionar outros atletas importantes como o “winger” Jack Harrison, o polonês Mateusz Klich e o atacante Patrick Bamford. O já costumeiro 4-1-4-1 de Bielsa ganha ainda mais força ofensiva com a intensa movimentação proposta pelo argentino nos treinamentos. Especificamente no jogo contra o Fulham, foi possível ver Bamford e Rodrigo (filho de Adalberto, ex-jogador do Flamengo) se revezando no comando de ataque e no lado esquerdo e abrindo o corredor para as subidas constantes de Jack Harrison por ali. A movimentação é tamanha que fica difícil acompanhar o time.

Rodrigo e Bamford se revezam entre o lado esquerdo e o comando de ataque e abrem o corredor para as subidas de Jack Harrison pelo lado. Mais atrás, o lateral Stuart Dallas fecha o meio-campo para formar o 4-1-4-1 e fechar o espaço deixado pelo camisa 22. Versatilidade. Foto: Reprodução / YouTube / Leeds United Official

É interessante que Marcelo Bielsa usou o esquema com três zagueiros em apenas duas oportunidades na Premier League. A primeira foi contra o Sheffield United, pela terceira rodada da competição. O seu preferido 3-3-1-3, no entanto, deu lugar a um 3-1-4-2 que visava encaixar Tyler Roberts e Bamford como dupla de ataque móvel à frente de Hélder Costa, Jack Harrison, Mateusz Klich e Stuart Dallas e com Luke Ayling fazendo o papel de zagueiro pela direita. Aqueles que acompanham a carreira de “El Loco” há algum tempo devem ter se lembrado do 3-3-2-2 utilizado na Argentina no início dos anos 2000 para encaixar Crespo e Batistuta no ataque, mas que concentrava as jogadas pelo meio. No Leeds United, no entanto, o jogo fluiu com as descidas dos alas e uma marcação extremamente alta. O placar final (vitória simples por 1 a 0) não reflete o que foi a atuação contra o Sheffield United.

Luke Ayling virou zagueiro pela direita no 3-1-4-2 utilizado por Bielsa na vitória sobre o Sheffield United. Tyler Roberts e Bamford formavam uma dupla de ataque móvel (que dava bastante profundidade ao Leeds United) e ainda ganhava em amplitude com as descidas constantes de Hélder Costa e Stuart Dallas.

Por mais que Marcelo Bielsa tenha adaptado alguns de seus conceitos ao contexto do Leeds United na Premier League, é preciso dizer que vários elementos utilizados no Newell’s Old Boys, no Athletic Bilbao e na Seleção Argentina ao longo dos seus mais de trinta anos de carreira ainda estão lá. Os principais são a linha de marcação alta e a alta intensidade nas transições ofensivas. Não é raro ver o Leeds United colocando seus dez jogadores de linha no campo do adversário e chegando na área com até sete atletas. Todos sempre muito bem posicionados e atacando os espaços que surgem a partir da movimentação constante de todos. O Sheffield United sentiu isso na partida válida pela terceira rodada da Premier League. Tyler Roberts e Bamford empurravam a defesa para trás e o trio de zagueiros participava das jogadas de ataque com bons passes e ótima visão de jogo.

A dupla de ataque formada por Tyler Roberts e Bamford empurra a defesa para trás, o meio-campo ocupa o espaço entre as linhas e o trio de zagueiros avança para participar das tramas ofensivas. Marcelo Bielsa adaptou vários dos seus conceitos para deixar o Leeds United competitivo. Foto: Reprodução / YouTube / Leeds United Official

É interessante notar que Marcelo Bielsa utilizou outros desenhos táticos no Leeds United além dos já mencionados aqui, mas sempre dando preferência ao 4-1-4-1, a formação na qual os “Peacocks” parecem ter se adaptado melhor. E nesse ponto, é preciso notar bem a evolução técnica e tática de cada jogador do Leeds a partir da chegada de “El Loco” ao clube em julho de 2018. Hoje, jogadores como Kalvin Phillips e Rodrigo são importantíssimos dentro das estratégias do técnico argentino por cumprirem suas funções com extrema eficiência e por colocarem a tão discutida “polifuncionalidad” de Bielsa em outro patamar. Não é raro ver outros atletas como Jack Harrison, o português Hélder Costa, o macedônio Ezgjan Alioski atuando em mais de uma posição dentro de uma mesma partida. É a essência da versatilidade tão buscada por Bielsa nas suas equipes ao longo de tantos anos.

É preciso dizer, no entanto, que as mudanças nas formações do Leeds United aconteceram muito mais por conta das lesões de Rodrigo e Kalvin Phillips do que por vontade do treinador argentino. Após sofrer goleadas seguidas por 4 a 1 (contra o Crystal Palace e o Leicester City), Bielsa viu os “Peacocks” crescerem de produção a partir do retorno do ótimo Kalvin Phillips ao meio-campo e da chegada do brasileiro Raphinha no elenco. A partida contra o Arsenal (disputada no dia 22 de novembro) já foi a prova de que a equipe de Yorkshire cresceu de produção e recuperou o rendimento das primeiras rodadas da Premier League com um futebol intenso e ofensivo. Foram 25 finalizações contra apenas nove dos comandados de Mikel Arteta (contando as três bolas na trave). A expulsão tola de Pépé só facilitou a vida dos “Peacocks” num jogo em que a bola teimou em não entrar.

Embora o Arsenal tenha jogado com um atleta a menos durante boa parte do segundo tempo, o Leeds United voltou a jogar bem a partir do retorno de Kalvin Phillips e da entrada do brasileiro Raphinha na equipe. O volume de jogo insano dos “Peacocks” espremeram os “Gunners” para seu campo. Foto: Reprodução / YouTube / Leeds United Official

No último sábado (28), o Leeds United quebrou um jejum de quatro partidas sem vitórias na Premier League ao bater o bom time do Everton por 1 a 0 em Goddison Park, em Liverpool. E nesse jogo, Marcelo Bielsa retornou ao 4-2-3-1/4-4-1-1 utilizado na campanha da Championship. Raphinha jogava a partir do lado direito, mas tinha liberdade para circular por todo o campo. Assim como Jack Harrison, Patrick Bamford e Ezgjan Alioski. Mais atrás, Kalvin Phillips e Mateusz Klich davam o suporte defensivo necessário para que toda a equipe pudesse jogar no campo de ataque dos “Toffees”. O lance do único gol da partida é um perfeito retrato de como Marcelo Bielsa gosta que suas equipes ataquem: jogadores abrindo o campo, triangulações e movimentações inteligentes na intermediária adversária. O camisa 18 teve tempo de ajeitar o corpo e soltar a bomba de perna esquerda por conta dessa dinâmica.

Raphinha recebe a bola na intermediária e vê o setor ofensivo do Leeds empurrar a zaga do Everton para trás e abrir o campo com as descidas de Kalvin Phillips e Luke Ayling. O camisa 18 teve tempo de ajeitar o corpo e desferir o chute de esquerda que venceu o bom goleiro Pickford. Foto: Reprodução / YouTube / Leeds United Official

O Leeds United é o 11º colocado na tabela da Premier League com 14 pontos conquistados em dez rodadas (quatro vitórias, dois empates e quatro derrotas). Os 15 gols marcados e os 17 sofridos mostram bem que Marcelo Bielsa ainda busca uma formação mais equilibrada para os “Peacocks” para a sequência da competição. Por outro lado, quando vemos a campanha de gigantes como o MAnchester United e do Arsenal, temos a certeza de que “El Loco” vem conseguindo tirar o melhor de cada jogador a partir de um elenco sem tanta experiência, mas que parece ter comprado integralmente as suas ideias. Não é à toa que Bielsa foi indicado ao prêmio FIFA The Best de melhor técnico da temporada junto com Zinedine Zidane, Hans-Dietes Flick, Julen Lopetegui e Jürgen Klopp. A campanha histórica e a mudança de postura do Leeds United credenciam “El Loco” para a disputa da honraria.

O técnico argentino parece ter a confiança e o respaldo da diretoria dos “Peacocks” para implementar seus conceitos e realizar um trabalho de longa duração no clube. Só o tempo irá dizer até onde o Leeds pode chegar nessa e em outras temporadas. Certo é que Marcelo Bielsa segue influenciando uma geração de torcedores e treinadores com seus conceitos ainda bastante arrojados para nossos dias. O futebol agradece.

FONTES DE PESQUISA:

Blog Painel Tático: Marcelo Bielsa, o grande treinador de técnicos do futebol
RSSSF Internacional
MW Futebol: O Leeds de Marcelo Bielsa
Site oficial da Premier League
A Pirâmide Invertida, por Jonathan Wilson (Editora Grande Área)

LEIA MAIS:

A loucura de Marcelo Bielsa (PARTE I) – Do início no Newell’s Old Boys até a Seleção Argentina

A loucura de Marcelo Bielsa (PARTE II) – Da trajetória na Seleção Argentina e a criação de uma “terceira via”

A loucura de Marcelo Bielsa (PARTE III) – A revolução na Seleção Chilena, a aventura no País Basco e a passagem pela França

A loucura de Marcelo Bielsa (PARTE IV) – “El Loco” e a enorme legião de seguidores e admiradores