Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Que tal começarmos a valorizar mais o trabalho de Vagner Mancini à frente do Corinthians?

Luiz Ferreira explica como o Corinthians construiu a goleada sobre o Fluminense no jogo desta quarta-feira (13) aqui na coluna PAPO TÁTICO

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Rodrigo Coca / Agência Corinthians

Não é exagero nenhum afirmar que a goleada de 5 a 0 sobre o Fluminense foi a melhor atuação do Corinthians em toda a temporada. A equipe paulista teve intensidade na troca de passes e nas transições ofensivas, teve atenção na marcação e consistência em todos os seus setores para construir o resultado desta quarta-feira (13). Esse crescimento de produção a dez rodadas para o final do Campeonato Brasileiro e a sequência invicta na competição (sete partidas) só atestam a qualidade do trabalho de Vagner Mancini à frente do Corinthians. Não apenas na aplicação dos seus conceitos táticos, mas (principalmente) na recuperação da confiança da equipe e na potencialização do talento de jogadores como Gabriel, Cazares, Fábio Santos, Mateus Vital, Gustavo Mosquito e muitos outros. O Corinthians é hoje uma equipe extremamente competitiva graças ao trabalho sério do seu experiente treinador.

A quarta vitória seguida do Corinthians no Brasileirão começou a ser construída através da troca de passes e da boa execução dos movimentos do 4-2-3-1 de Vagner Mancini. Fagner jogava um pouco mais solto pelo lado direito e contava com dois trunfos na subida ao ataque: o primeiro era a marcação frouxa do Fluminense naquele setor; e o segundo era a boa atuação de Gustavo Mosquito. Com Cazares circulando por entre as linhas do Fluminense e Mateus Vital aparecendo para auxiliar na criação das jogadas, o Timão foi tomando conta do jogo sem muito esforço diante de um Fluminense que tentou manteve a mesma estratégia utilizada no jogo contra o Flamengo (linhas fechadas e saída rápida em contra-ataque). O grande problemas estava na marcação no lado esquerdo. Wellington Silva não voltava com Fagner, Yago Felipe estava perdido na marcação e Danilo Barcelos ficou sobrecarregado na marcação.

Corinthians vs Fluminense - Football tactics and formations

Fagner e Gustavo Mosquito exploraram bem os espaços no lado esquerdo da defesa do Fluminense e criaram as principais jogadas de ataque do Corinthians. Mateus Vital aparecia por dentro para auxiliar na criação, Jô arrastava a marcação e Cazares circulava entre as linhas. Boa atuação coletiva do time de Vagner Mancini.

Impossível não notar a boa atuação de nomes até então contestados pela torcida corintiana depois que Vagner Mancini assumiu a equipe. E quem mais tem de destacado nesse sentido é o volante Gabriel. O volante não só manteve a intensidade na marcação dos adversários. O camisa 5 do Timão começou a aparecer mais no ataque seja para dar opção de passe ou para chegar na área para concluir a gol. Além disso, seu futebol se encaixou como uma luva com o do colombiano Cantillo. Os dois aceleram e cadenciam o jogo conforme as necessidades da equipe, mas sempre mantendo a intensidade e a atenção em cada lance. E falando em defesa, vale lembrar que o Corinthians sofreu apenas um gol nas últimas sete partidas. Ponto esse que mostra o entrosamento entre Jemerson e Gil na zaga e todo o trabalho realizado por Vagner Mancini. O Timão é hoje uma equipe que compete muito e contra qualquer adversário.

É interessante notar que os cinco gols do Corinthians na partida saíram quase todos de jogadas trabalhadas pelo meio-campo. Com Jô dando profundidade às jogadas, Fagner voando pela direita e Cazares abrindo espaços, as coisas fluíram rapidamente na Neo Química Arena. E com uma certa facilidade também. É bem verdade que o time do Fluminense facilitou demais a vida do seu adversário ao não compactar suas linhas e permitir que alguns dos jogadores já citados tivessem liberdade para receber o passe e trabalhar as jogadas. Faltava no Tricolor das Laranjeiras a intensidade que sobrou no Corinthians de Vagner Mancini. Até mesmo o antes apático Luan entrou ligado na partida e deixou sua marca. Assim como Léo Natel, Everaldo, Gabriel Pereira e Camacho. A goelada de 5 a 0 sobre um Fluminense frágil e sem consistência foi completamente justa diante de tudo aquilo que se viu em campo.

Fluminense vs Corinthians - Football tactics and formations

Mesmo com as mexidas, o Corinthians manteve a intensidade nas transições e construiu uma bela e contundente vitória diante de um fragilizado e atônito Fluminense. Vagner Mancini descansou alguns jogadores e viu até mesmo o questionado Luan deixar seu golzinho na partida desta quarta-feira (13). Resultado justo.

O Corinthians vem mostrando a cada jogo que tem condições de chegar bem mais longe do que muita gente pensa. A equipe subiu para a oitava posição na tabela com 42 pontos e está a apenas cinco da zona de classificação para aa Copa Libertadores da América. Para quem temia a zona do rebaixamento nos tempos de Tiago Nunes e Dyego Coelho, é um senhor alento. Impossível não classificar o trabalho de Vagner Mancini como extremamente eficiente dentro das suas possibilidades. Lógico que jogadores como Fábio Santos, Jemerson e Cazares deram muito mais consistência à equipe corintiana, mas os méritos do seu treinador estão na potencialização do talento de vários jogadores do elenco. Impossível não ver o Corinthians hoje como uma equipe competitiva, consistente e confiante e que executa com muita eficiência o modelo de jogo do seu treinador. E sim, esse time pode alcançar o G6 do Brasileirão.

O tal “Mancinismo” não é apenas produto dos torcedores nas redes sociais. O Corinthians tem a terceira melhor campanha do returno do Campeonato Brasileiro, melhorou sua produção ofensiva e está ainda mais consistente na defesa. Vagner Mancini devovleu ao Timão o equilíbrio necessário para competir e conquistar os pontos necessários para se chegar longe nesse restante de temporada. Seu trabalho precisa ser mais valorizado e respeitado.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

Palmeiras joga no fio da navalha, é salvo pelo VAR e se garante na sua quinta final de Copa Libertadores da América

Luxemburgo deixa Talles Magno mais próximo do ataque e vê o Vasco amassar o Botafogo em São Januário