Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Athletico Paranaense anuncia Rosana, ícone do futebol feminino, como nova treinadora das Gurias Furacão

Jogadora brasileira com mais títulos conquistados por clubes, ex-lateral e meia da seleção assume novo desafio na carreira

Adriano Oliveira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: José Tramontin/ Athletico Paranaense/ athletico.com.br

Rosana Augusto começa uma nova etapa na carreira. Após se aposentar dos gramados, a ex-jogadora da seleção brasileira, que conquistou a medalha de prata nas Olimpíadas de 2004 e 2008, ouro nos Jogos Pan-Americanos de 2003 e 2007, novamente ouro no Sul-Americano de 2003 e 2010 e vice-campeã mundial em 2007, foi anunciada como treinadora das Gurias Furacão, a equipe feminina do Athletico Paranaense.

Aos 38 anos, Rosana é considerada um dos grandes nomes da história do futebol feminino e, além da seleção, também defendeu Corinthians, São Paulo, Internacional, São José-SP, Ferroviária, Santos e Palmeiras, equipe em que atuou na última temporada da Série A1 do Campeonato Brasileiro.

Na Europa, a ex-jogadora atuou por SV Neulengbach (AUS), Sky Blue (EUA), Avaldsnes (NOR) e Lyon e Paris Saint-Germain, ambos da França. Ao todo, foram 22 títulos conquistados somente por clubes, recorde entre as atletas brasileiras, em sua mais que vitoriosa carreira dentro das quatro linhas.

Em 2019, Rosana foi condecorada pela Fifa (Federação Internacional de Futebol) como lenda do futebol feminino, com a participação no programa “FIFA Legends” em ações na Copa do Mundo Feminina da França e no Mundial Sub-17 no Brasil, ao lado de outros ídolos como Ronaldo, Bebeto, Cafu, Roque Júnior e Júlio César.

Em 2021, as Gurias Furacão disputarão a Série A2 do Campeonato Brasileiro, com início previsto para o dia 16 de maio. Confira abaixo trechos de uma entrevista concedida por Rosana ao site oficial do Athletico Paranaense, onde a ex-atleta fala sobre o novo momento de sua carreira profissional, a preparação e perspectivas como treinadora.

Foto: José Tramontin/ athletico.com.br

Foto: José Tramontin/ athletico.com.br

Expectativa

“Estou muito feliz por ter essa oportunidade. O futebol feminino do Athletico ainda é algo em construção e eu me sinto privilegiada em poder ajudar e fazer parte disso. Foi tudo muito bem pensado. As ideias são muito congruentes”

“A gente pensa da mesma forma. A maior parte da minha carreira como atleta foi feita na Europa e o Athletico tem uma metodologia e uma filosofia muito inovadoras. Eu acho que vai ser um combo muito legal”

Torcida

“O torcedor athleticano pode esperar muito empenho e muita dedicação. Eu, em lugar nenhum, mesmo como atleta, nunca prometi resultado. Prometi sim o maior esforço possível, fazer as coisas da melhor forma possível”

“Fazer com que todo mundo esteja alinhado, feliz por estar participando desse processo, e aí eu tenho certeza que as consequências serão benéficas para todo mundo”

Preparação

“Isso começou quando fui jogar no Lyon. Lá eles têm uma maneira muito interessante de traçar um perfil psicológico da atleta já para um pós-carreira. Eles traçaram o meu perfil e me colocaram como uma pessoa que teria essa liderança, até porque fui capitã na maioria dos times em que passei, e essas funções me cairiam bem”

“Fiz o curso da UEFA, a Licença C, que é o primeiro módulo, em 2014 (…) Foquei nas licenças, fiz as Licenças B e A da CBF, também de treinadora, mas tenho todo esse aparato, até para poder cobrar as pessoas, poder discutir de forma franca, preciso também ter esse respaldo. Então, fui procurar cursos de outras vertentes do futebol, para que eu seja a mais completa possível”

Potencial do Athletico no futebol feminino

“Para mim, uma das coisas que mais chamou a atenção foi a possibilidade do feminino poder usar toda a estrutura e estar alinhado com o Athletico mesmo. Eu acho que isso é um ponto muito positivo para ter uma sequência e uma trajetória positiva”

A ideia é que a gente agregue principalmente na vida do ser humano e, aí sim, as meninas possam se destacar no cenário brasileiro e o Athletico também se tornar um clube de referência no futebol feminino. Quiçá possa ganhar uma Libertadores mais para frente. Mas a ideia é ir passo a passo, nessa construção mesmo, para que a gente caminhe devagar, mas constante”

LEIA TAMBÉM

Atuação da Seleção Feminina contra o Canadá deixa muito mais perguntas do que respostas; confira a análise

Brasileira é eleita a melhor treinadora de futsal do mundo e diz: “Falta um olhar diferenciado”