Títulos, Godói, Edmundo e muitas brigas: Júnior Baiano assume clube da Série D do Brasileiro

Contrato de Júnior Baiano com o Central vai até o fim da Série D do Campeonato Brasileiro

Wilson Pimentel
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação/ Vitória EC

Raimundo Ferreira Ramos Júnior, o Júnior Baiano, assumiu como novo técnico o Central de Caruaru para a disputa da Série D do Campeonato Brasileiro. A princípio, o ex-zagueiro de 51 anos terá a missão de comandar o time que irá buscar o acesso para a Série C.

Júnior Baiano chega para substituir Elenilson Santos após a Patativa ser rebaixada no Campeonato Pernambucano. O antigo treinador ficou à frente da equipe em seis partidas. Nesse ínterim, foram duas vitórias, um empate e três derrotas.

Em rápido contato com o Torcedores.com, o presidente do Central, Alexandre Leite, confirmou a contratação de Júnior Baiano. O dirigente revelou que o currículo vitorioso como jogador foi fundamental para o acerto.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

“O Júnior Baiano faz parte de um projeto de reestruturação do Central. Ele vem trazer mais visibilidade para o clube. Além disso, é uma grande perspectiva de bons resultados em campo e também queremos usar o marketing para promover sua chegada em Caruaru”, revelou o dirigente.

A carreira de Júnior Baiano como técnico, até o momento, ainda não decolou. Após pendurar as chuteiras, ele foi estagiário de Vanderlei Luxemburgo no Palmeiras. Posteriormente, comandou o Santa Helena-GO, Itumbiara-GO e XV de Novembro-MG.

Além de Júnior Baiano, o Central também acertou a contratação de Joubert Martins, mais conhecido como Beto ‘Cachaça’ para a função de auxiliar técnico. O clube estreia na Série D contra o América-RN, dia 5 de junho, na Arena das Dunas. O time está no Grupo C do torneio.

As polêmicas

Em 1992, Júnior Baiano e Edmundo travaram um grande duelo no jogo entre Flamengo e Vasco pelo Campeonato Brasileiro. O atacante, nesse ínterim, distribuía carrinhos e mostrava as travas das chuteiras para o defensor. Irritado, o camisa 3 deu um soco no rodo do jogador vascaíno.

O Flamengo foi à Belém enfrentar o Paysandu pela Copa do Brasil de 1993. Recheado de craques com Gilmar Rinaldi, Júnior e Gaúcho o time perdeu por 3 a 2. Além do vexame, o jogo ficou marcado pelo soco que Júnior Baiano deu em Carlos André, atleta do Papão.

Em 1995, quando atuava pelo São Paulo, Júnior Baiano afirmou que o árbitro Oscar Roberto de Godói apitou o clássico contra o Corinthians embriagado. Posteriormente, o zagueiro fez gestos insinuando que o árbitro estava bêbado. Por causa isso, Godói o acionou na Justiça. Hoje, são amigos.

Júnior Baiano se transferiu para o Werder Bremen em 1996. Lá, foi punido por dez partidas de suspensão no Campeonato Alemão. Afinal, ele agrediu com um soco um jogador adversário. Por isso, oi ‘dedurado’ por dirigentes da Federação Alemã após verem a agressão em vídeo.

Em 1997, Júnior Baiano e Edmundo voltaram a se cruzar. Mas desta vez à serviço da seleção brasileira. Os dois ‘embolaram’ após o animal dar um peteleco no zagueiro. O xerife, por sua vez, deu um cruzado de direita no companheiro. O atacante apagou e foi socorrido por Rivaldo, Roberto Carlos e Rinaldo Fenômeno.

Em 1998, o Brasil foi convidado para disputar a Copa Ouro da Concacaf em 1998. No empate em 0 a 0 com a Jamaica, Júnior Baiano agrediu o atacante Whitmore. Por isso, foi expulso pelo árbitro Esfandiar Bahmast.

A carreira

Revelado pelo Flamengo, Júnior Baiano atuou por São Paulo, Palmeiras, Vasco, Internacional, America-RJ, Brasiliense e Volta Redonda. No exterior, defendeu o Werder Bremen-ALE, Shanghai Shenhua-CHN e Fort Lauderdale Strikers-EUA.

Ao longo da carreira, ele venceu a Recopa Sul-Americana, a Copa Libertadores da América, a Copa Mercosul, a Copa Conmebol, o Campeonato Brasileiro, a Copa do Brasil, o Campeonato Carioca, o Campeonato Gaúcho, o Campeonato Brasiliense e a Copa das Confederações.

LEIA MAIS: 

Polêmicas, baladas e namoro com ex-panicat: conheça Victor Ramos novo reforço do Juventude 

Geração 90: Saiba pode onde andam os jogadores que atuaram com Douglas Costa na base do Grêmio 

America diz ter um título brasileiro e quer reconhecimento da CBF