Patrick de Paula é flagrado por torcedores do Palmeiras em festa clandestina; outros jogadores estariam no local

Depois do recente episódio de Lucas Lima, foi a vez de Patrick de Paula ser flagrado pela torcida do Palmeiras em uma possível festa clandestina

Diego Lucio Castro de Oliveira
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

O extra-campo do Palmeiras está pegando fogo! Apenas três dias depois de Lucas Lima ter sido flagrado em uma festa clandestina, o volante Patrick de Paula repete o mesmo enredo e foi confrontado por torcedores do clube na madrugada desta segunda(21). O vídeo foi postado por Paulo Serdan, um dos homens fortes da Mancha Verde, maior organizada alviverde.

Segundo post de Serdan, Patrick de Paula não seria o único jogador presente na possível balada. Breno Lopes, Gabriel Menino e Rony, também estariam no local, porém, segundo o mesmo, “sairam antes ou ainda nem saíram” até a hora da publicação em seu Instagram pessoal.

Veja o momento em que Patrick de Paula é abordado por torcedores do Palmeiras:

 

Morte de funcionários do Palmeiras por covid-19 e vacinação do elenco

O ‘flagra’ no volante acontece menos de 15 dias após dois funcionários do Palmeiras morrerem por covid-19. Alguns dias depois, jogadores e membros da delegação tomaram a primeira dose da vacina contra a doença.

Episódio do brinco

Pra piorar, durante o jogo contra o América-MG neste domingo(20), Patrick de Paula foi advertido por estar usando um brinco, acessório proibido nas partidas de futebol. Com isso, ficou cerca de seis minutos fora de campo, o que causou revolta por parte dos torcedores do Palmeiras.

Em seu Twitter oficial, a Mancha Verde chegou a divulgar um ‘pedido de desculpas’ do atleta após este episódio do brinco.

Siga o Torcedores no Instagram e no Twitter

VEJA TAMBÉM:
Confira a classificação atualizada do Brasileirão Feminino após a 14ª rodada

Abel Ferreira deixa ‘caso Lucas Lima’ para diretoria e fala sobre trio com contrato até dezembro

Scarpa revela bronca de Abel no intervalo: “Não daria pra fazer um segundo tempo pior que o primeiro”