Tite revela que cogitou aposentadoria em 2018: “Queria muito ganhar a Copa do Mundo”

Treinador desejava encerrar ciclo no futebol com o título na Rússia

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Raúl Martínez - Pool/Getty Images

Em carta ao “The Coaches Voice”, Tite avaliou sua trajetória como treinador da seleção brasileira. No cargo desde 2016, o técnico, que já possuía títulos importantes no currículo, queria se aposentar conquistando a Copa do Mundo. Porém, o sonho acabou sendo adiado, já que o Brasil foi eliminado nas quartas de final na Rússia. Agora, como segue no comando em um novo ciclo, desta vez para o Qatar, o desejo segue motivando o treinador.

“Eu queria muito, muito ganhar a Copa do Mundo de 2018. Se isso tivesse acontecido, eu teria me aposentado. Não haveria mais nada a alcançar. Mas estou feliz por ter ficado, então tive aquele momento depois que vencemos a Copa América. A final foi meu primeiro jogo pelo Brasil no Maracanã, e erguemos o troféu diante de 70 mil torcedores. A torcida ficou muito tempo no estádio, comemorando conosco. É difícil descrever esse sentimento: comemorar um título com os torcedores”, declarou.

APOIO PARA CONQUISTAR O OBJETIVO

Além disso, Tite contou que tem o apoio de sua esposa para aumentar ainda mais seu legado no futebol. Antes disso, o comandante do Brasil, que chegou a ter sua demissão cogitada na recente crise vivida nos bastidores da CBF, vai tentar levantar mais um troféu da Copa América.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

“Ganhei quase todos os troféus pelos quais tive a chance de competir, mas a Copa do Mundo ainda falta. Quando disse para minha esposa que teria me aposentado se tivesse ganhado em 2018, ela respondeu: ‘Bem, então. Ainda há trabalho a ser feito em 2022. É possível’. Espero que ela esteja certa”, finalizou.

LEIA MAIS