Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Fórmula 1 terá muitas novidades em 2022; confira

Fórmula 1 promete temporada com muitas mudanças

Alexander Rodrigues
Redator no @AlemanhaFC, @Torcedorescom, ADM da página @futebolcomamor e torcedor do Feyenoord.

Crédito: Divulgação - Fórmula 1

A Fórmula 1 terá grandes mudanças a partir da temporada de 2022, sejam elas dentro ou fora das pistas, com novas configurações técnicas nos carros e um calendário com nada menos do que 23 corridas, recorde na categoria que só não visitará o continente africano.

Confira abaixo o caminhão de mudanças que estão por vim na próxima temporada da Fórmula 1

  • Projetos simplificados.
  • Confirmado o efeito de solo, com um longo difusor.
  • Asa dianteira mais simples, com vórtices mais fracos, menos capaz de controlar o rastro do pneu dianteiro.
  • Adeus aos bargeboards, dispositivos sob o chassi e certas complexidades das placas finais da asa traseira para cumprir o objetivo de poder seguir melhor os outros carros.
  • Redução de 86% no downforce total (perda de 14%) ao seguir um carro após o outro em comparação com 55% (perda de 45%) dos regulamentos atuais.
  • Áreas nas quais os carros serão diferentes: bico, asa dianteira e suas placas finais, pontões, calotas, dutos de freio e asa traseira e placas finais.
  • A importância de certas partes do carro foi reduzida para evitar grandes diferenças de desempenho.
    As mantas térmicas são mantidas até pelo menos 2022.
  • Aumento de peso mínimo, de 743 kg para 768 kg. A causa são rodas maiores, massa de pneu diferente, peso maior da unidade de potência, certas peças padrão ou prescritas e componentes de segurança.
  • Haverá um melhor controle dos detritos. Quando há contato, as peças do carro não se desintegram.
    As peças da parte de trás do carro serão anexadas.
  • Suspensões simplificadas (sistemas internos mais simples, molas, amortecedores…). Suspensões hidráulicas proibidas.
  • Separação de estruturas de suspensão e suas carenagens.
  • Rodas maiores (18 polegadas) com fornecimento padrão.
  • Sistema de combustível mais simples, com componentes prescritos.
  • Projetos dos cubos, porcas e sistema de retenção de roda serão prescritos.
  • Existem cinco categorias de componentes do carro: Listados, padrão, prescritos (design FIA), transferíveis (podem ser compartilhados entre as equipes) e de código aberto (design que será público e outros podem copiar).
  • Discos maiores (278 mm a 330 mm).
  • Geometria de disco de freio mais simples. Adiamento do fornecimento padrão até 2023.
  • Motores mais baratos aumentando o peso mínimo, restringindo materiais, eliminando a exclusividade do fornecedor de células ES e turbocompressores.
  • Obrigação de igualdade de especificações entre os fabricantes e os equipamentos de seus clientes.
  • Para a legalidade e vigilância dos sistemas de combustível, bombas de pressão, medidor de fluxo e amortecedores serão padrão.
  • Para não “bloquear” um diferencial de desempenho de uma equipe, as dimensões da caixa de câmbio foram definidas de forma mais restritiva.
  • Um redesenho completo da caixa de câmbio é permitido em um ciclo de 5 anos.
  • Simplificação geométrica do eixo de transmissão por questões de custo.

Leia também

Fórmula 1: Hamilton perdeu feio para a Red Bull em 2013; relembre

Fórmula 1: Verstappen comemora disputa intensa com Hamilton: “Bom para o esporte”

Fórmula 1: Chefe da Red Bull, Horner detona ex-campeão mundial: “Idiota”

Fórmula 1: Bottas revela problemas psicológicos e vontade de deixar a categoria

Carvalhal no Flamengo, trio do Palmeiras na Europa, medalhão no Corinthians, pacotão no Vasco: as últimas do mercado da bola

Ronaldo lembra 7×1 e diz que Galvão Bueno “não para de falar”

Neto surpreende e crava clubes que irão dominar o futebol brasileiro

Cuca entra em ranking de técnicos com mais títulos do Brasileirão; lista