Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Grêmio faz bom jogo contra o Corinthians, mas peca nos pequenos detalhes e acaba punido pela própria desatenção

Na coluna PAPO TÁTICO, Luiz Ferreira analisa as escolhas de Vagner Mancini e Sylvinho e as atuações das duas equipes no jogo deste domingo (5)

Luiz Ferreira
Produtor executivo da equipe de esportes da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, jornalista e radialista formado pela ECO/UFRJ, operador de áudio, sonoplasta e grande amante de esportes, Rock and Roll e um belo papo de boteco.

Crédito: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Todos aqueles que acompanham e estudam o velho e rude esporte bretão sabem muito bem que a atenção aos detalhes (por menores que sejam) costuma ser determinante na vitória ou derrota de uma equipe. Saindo do nível micro para o macro, se os detalhes ajudam a vencer jogos, o caminho seguinte pode ser a conquista do título, uma vaga numa competição internacional ou um até mesmo um rebaixamento. Diante disso, é preciso entender que o Grêmio sofreu e ainda sofre desse problema. A desatenção com pontos mais específicos do jogo dentro de campo vem alijando o Tricolor Gaúcho há algum tempo. E o empate contra o Corinthians escancarou isso. Tudo por conta do pouquíssimo tempo restante para uma reação do Grêmio nessa reta final de Campeonato Brasileiro. Na prática, o golaço de Renato Augusto foi a punição do escrete comandado por Vagner Mancini pela desatenção com cada detalhe do jogo deste domingo (5).

Isso porque o Grêmio teve uma boa atuação em Itaquera. O Tricolor Gaúcho marcou bem no seu campo, se impôs diante da postura mais frouxa do Corinthians de Sylvinho e conseguiu levar vantagem na maioria dos duelos físicos no terço final com Diego Souza mostrando toda sua experiência e qualidade no ataque gremista. Além dele, Jhonata Robert e Ferreirinha conseguiam colocar muita velocidade pelos lados do campo e criavam muitos problemas para Du Queiroz e Fábio Santos. Sylvinho, por sua vez, apostava num 4-1-4-1 que tinha Xavier na proteção da zaga, Renato Augusto e Giuliano se revezando na criação das jogadas e muita movimentação no terço final. É interessante notar como o Timão mantinha essa formação mesmo quando Willian aparecia por dentro e Jô abria o campo pelo lado direito. Tudo para ganhar espaço em cima do 4-2-3-1 bem montado por Vagner Mancini para o confronto em Itaquera.

O Grêmio se fechava bem no seu campo (com duas linhas com quatro jogadores) e saía em velocidade com Jhonata Robert, Ferreirinha e Campaz. Já o Corinthians jogava num 4-1-4-1 quase imutável com muita movimentação ofensiva e ocupação dos espaços entre as linhas adversárias. Foto: Reprodução / TV Globo / GE

Notem que, por mais que Giuliano e Renato Augusto tentassem atacar a área de Gabriel Chapecó por dentro, as duas linhas gremistas sempre estiveram bem postadas. O problema estava no espaço entre laterais e zagueiros (um dos pontos mais problemáticos do escrete comandado por Vagner Mancini). Rafinha e Diogo Barbosa encontravam muitas dificuldades para conter Roger Guedes e Willian quando estes entravam em diagonal na direção do gol. Por outro lado, Lucas Silva e Thiago Santos foram bem na marcação por dentro e tiraram bastante o campo de ação dos meio-campistas corintianos. Na prática, o Grêmio se impunha através da velocidade e da força física sem nenhum grande plano para furar a bem postada defesa adversária. A única jogada do time gaúcho eram as bolas para Ferreirinha desequilibrar pela esquerda e procurar Diego Souza no comando de ataque ou tentar a finalização a gol.

Muito pouco para quem precisava de soluções rápidas e para quem precisava tanto pontuar para sair de um incômodo Z4. Ainda mais com um elenco muito mais qualificado do que muitos outros times que também brigam contra o rebaixamento. Difícil explicar o que aconteceu com o Grêmio nos bastidores. Mas é fácil compreender que a desatenção aos detalhes parece cobrar seu preço. Por mais que o repertório do time comandado por Vagner Mancini não fosse lá muito vasto, o Tricolor Gaúcho conseguia se impor no primeiro tempo por conta da postura mais frouxa do Corinthians e da aplicação tática (às vezes exagerada) dos jogadores gremistas. A tal jogada manjadíssima com Ferreirinha pelo lado esquerdo acabaria sendo fundamental para que o Grêmio saísse na frente no placar na Neo Química Arena. Diego Souza matou o cruzamento do camisa 11 no peito, venceu a marcação e tocou na saída de Cássio. Belo gol.

Ferreirinha se livrou de Du Queiroz, Campaz puxou a marcação para trás e abriu o espaço para o camisa 11 servir Diego Souza na jogada do único gol do Grêmio na partida. Por mais manjada que fosse, a jogada de desafogo pela esquerda ajudou a resolver as coisas (ainda que temporariamente). Foto: Reprodução / TV Globo / GE

Lembram da atenção aos detalhes? O Grêmio simplesmente não atacou mais depois de abrir o placar no final do primeiro tempo. Enquanto Sylvinho ia empilhando atacantes no Corinthians (talvez com a intenção de dar mais força ao seu time na inversão do 4-1-4-1 para um 2-3-5 mais posicional), Vagner Mancini ia trazendo sua equipe para trás, bloqueando a circulação de Gabriel Pereira, Gustavo Mosquito, Willian, Roger Guedes e Jô na frente da área. A essa altura, o Tricolor Gaúcho já jogava numa espécie de 5-4-1 com as entradas de Ruan, Vanderson, Villasanti e Borja (nos lugares de Rafinha, Jhonata Robert, Campaz e Diego Souza). Só que todo o escrete gremista esqueceu de um “pequeno detalhe” chamado Renato Augusto. Com as linhas muito atrás, a defesa gremista não fechou o espaço de circulação do único meio-campista de origem que sobrou no Corinthians após as mexidas de Sylvinho no segundo tempo.

Renato Augusto recebe a bola no meio de quatro jogadores do Grêmio, avança sem ser incomodado e acerta um belíssimo chute da entrada da área. Vanderson, Ruan, Villasanti e Lucas Silva deram espaço justamente para o jogador mais talentoso do Corinthians fazer o que fez em Itaquera. Foto: Reprodução / TV Globo / GE

É preciso deixar bem claro que um time que luta contra o rebaixamento JAMAIS pode deixar que um jogador do quilate de Renato Augusto receba a bola com tanta liberdade e muitoe permitir que ele tenha tempo para fazer o que fez nos minutos finais. É concentração máxima e cuidado com os detalhes do jogo. Abdicar do ataque e se fechar na defesa não foi a melhor escolha. Ainda mais quando Vagner Mancini sabia muito bem que o Corinthians iria abrir espaços na sua defesa e que poderiam ser explorados por jogadores mais descansados. O problema não foi a escolha pela linha de cinco, mas a escolha pelo “jeito mais fácil” e a maneira como o time de Vagner Mancini jogou fora dois pontos preciosíssimos na briga contra um rebaixamento que parece cada vez mais iminente. A atenção aos pequenos detalhes do jogo cobrava seu preço. E de modo até cruel para os padrões do velho e rude esporte bretão.

Os detalhes, por menores que sejam, influenciam diretamente no resultado final. O Grêmio vem aprendendo isso da pior maneira nessa reta final de Campeonato Brasileiro. E não há como ver o gol de Renato Augusto de outra forma que não seja a punição pelo descuido com uma série desses detalhes num jogo que poderia ter acabado de uma maneira muito mais feliz para o escrete de Vagner Mancini.

CONFIRA OUTRAS ANÁLISES DA COLUNA PAPO TÁTICO:

São Paulo executa plano de jogo com precisão e vence o “primeiro round” da final do Paulistão Feminino

Sporting aproveita espaços, dá aula de contra-ataque e impõe derrota pesada ao Benfica de Jorge Jesus

Virada épica sobre o Bahia é o resumo perfeito do que foi o avassalador Atlético-MG nesse Brasileirão

Primeiro título da “Era Pia” na Seleção Feminina é um senhor sopro de esperança para o futuro

AINDA NO TORCEDORES.COM

Brasileirão Série A 2021: confira a tabela completa do campeonato

Brasileirão Série B 2021: confira a tabela completa do campeonato