Torcedores – Notícias Esportivas

Australian Open distribuirá a maior premiação de sua história; conheça a competição e saiba onde assistir AO VIVO

Anfitriã definitiva desde 1972, Melbourne recebe o “Slam feliz” para inaugurar o calendário das principais competições do circuito de tênis do ano

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Reprodução

O Australian Open, primeiro dos quatro Grand Slam de tênis do ano, iniciará sua chave principal neste domingo, 16 de janeiro (dia 17 na Austrália) e tem data de encerramento prevista para o dia 30 do mesmo mês. Devido às condições climáticas favoráveis, a atmosfera festiva proporcionada pela multidão presente durante o evento e o frescor da abertura de temporada, onde os jogadores se encontram melhor preparados fisicamente e bem-humorados, o torneio passou a ser carinhosamente conhecido como o “happy slam” (Slam feliz), apelido dado por Roger Federer.

Para esta edição, a premiação distribuída será de 75 milhões de dólares australiano (aproximadamente 300 milhões de reais) e representa um aumento de 4,5% referente à cifra de 2021. Convertendo para a moeda americana, ultrapassa os 54.000.000,00 milhões de dólares. O montante será o segundo maior na história de um Grand Slam, atrás apenas do US Open 2021, cuja soma foi de 57.460.000,00 milhões de dólares.

Para você ficar por dentro do Australian Open, conheça a história, o formato de disputa, os sistemas de premiação e pontuação e saiba onde acompanhar as transmissões dos jogos da competição.

HISTÓRIA

Diferente dos outros três Grand Slams do ano, surgidos no século 18, o Australian Open teve sua primeira edição realizada em 1905 na cidade de Melbourne, sob o nome de “Australasian Championship”. As partidas ocorreram no antigo Wirehouseman’s Cricket Ground, conhecido hoje como Albert Reserve Tennis Centre. Este clube está localizado a somente 5km de distância do complexo de Melbourne Park, onde o torneio é disputado atualmente.

Apenas 17 atletas do naipe masculino participaram da estreia, dos quais 16 eram australianos ou neozelandeses. O único estrangeiro foi o britânico Randolph Lycett, que chegou às semifinais e perdeu em quatro sets para o eventual campeão, Rodney Heath. Fred Alexander, norte-americano, foi o primeiro jogador de outro continente a vencer em terras australianas, em 1908.

Entre sua inauguração e o ano de 1971, o Australian Open passou por mais cinco locais, incluindo Christchurch (1906) e Hastings (1912), ambas na Nova Zelândia. Sidney sediou o evento por 17 vezes. Adelaide foi a anfitriã em 14 oportunidades. Brisbane, com sete, e Perth, três, completam a lista de cidades que receberam o Major.

O ANO QUE REVOLUCIONOU A COMPETIÇÃO COM A ENTRADA DAS MULHERES E A ADIÇÃO DE NOVAS CATEGORIAS

1922 marcou a estreia das mulheres no certame. Além da modalidade simples e de duplas do gênero, foram adicionados também as categorias de duplas mistas e juniores. A primeira participação feminina em simples contou com apenas 14 jogadoras, todas australianas.

Margaret Molesworth venceu Esna Boyd nas duas primeiras edições. Curiosamente, em suas cinco aparições iniciais, Boyd terminou como vice-campeã. Em 1927, enfim, conquistou seu único título, quando a competição foi renomeada para “Australian Championship”.

Entretanto, no ano seguinte amargou pela sexta vez o sabor da derrota em uma final, perdendo para Daphne Arkhurst, tenista que sagrou-se pentacampeã  na edição de 1930.

O RECONHECIMENTO DO TORNEIO E DEFINIÇÃO DA CIDADE-SEDE

Em 1923 a “Lawn Tennis Federation”, Federação Internacional do tênis na época, reconheceu a importância do torneio sediado na Oceania e o elevou ao mesmo status de Roland Garros, Wimbledon e US Open, destacando-os como os quatro principais eventos do mundo do tênis.

De 1905 a 2021, o evento foi cancelado por oito vezes. As explosões da Primeira e Segunda Guerra Mundial impossibilitaram sua realização primeiramente de 1916 a 1918 e posteriormente entre 1941 a 1945. Já em 1986, a Tennis Australia (Federação Australiana de Tênis), optou por alterar o calendário e remanejou o Major de dezembro deste ano para janeiro de 1987.

O torneio sofria com ausências de tenistas importantes em seus primórdios. Poucos jogadores se deslocavam da Europa e de outros continentes devido a desgastante viagem de navio que teriam de se submeter.

Já entre a década de 1960 e o início de 1980, o local afastado, junto da proximidade das datas festivas de fim de ano (Natal e réveillon) e a baixa premiação monetária foram motivos para estrelas internacionais perderem o interesse em participar.

Anteriormente denominado Australian Championship, a mudança da nomenclatura oficial para Australian Open ocorreu no ano de 1969, em alusão à nova fase de profissionalização do tênis, ocorrida um ano antes (1968) com o surgimento da “Era Aberta”. Melbourne, berço do torneio, passou a ser a sede definitiva em 1972.

1977 foi a única vez na história em que a competição foi disputada duas vezes no mesmo ano, nos meses de janeiro e dezembro. Tais edições foram vencidas respectivamente por Vitas Gerulaitis e Roscoe Tanner, dois atletas norte-americanos.

CASA NOVA, PISO NOVO

De 1982 a 1987 o clube Kooyong Lawn Tennis Club hospedou o evento. Mas, a partir de 1988, mudanças impactantes impulsionaram o Australian Open a aumentar sua média de público e alçar voos maiores em sua divulgação mundo afora. De uma só vez, a Tennis Australia inaugurou o complexo Flinders Park e adotou o piso duro em substituição às quadras de grama, presentes desde a primeira edição, em 1905. E as novidades não pararam por aí. A quadra principal foi inaugurada como a primeira arena na história do tênis a possuir um teto retrátil, mostrando assim o arrojo e revolução na organização da competição.

Mats Wilander é o único atleta, envolvendo os naipes masculino e feminino, a vencer o torneio em ambos os pisos. O sueco foi campeão em 1983 e 1984 na grama e em 1988 na estreia do piso duro.

Posteriormente, no ano de 1996, o complexo de Flinders Park foi renomeado para Melbourne Park e a arena principal, inaugurada em 1988 sob o nome National Tennis Center, foi alterada para Central Court (Quadra Central).

Em 2000, a Tennis Australia rebatizou a Quadra Central para Rod Laver, homenageando o lendário tenista australiano tricampeão do Australian Open e detentor de 11 títulos totais de Grand Slam. Esta arena tem capacidade para 14.820 espectadores.

Neste mesmo ano ocorreu a inauguração da atual John Cain Arena, que comporta 10.500 pessoas.

Abrigando um espaço para até 7.500 assentos, a terceira maior quadra do complexo também recebeu o nome de uma das grandes personalidades de todos os tempos do tênis, a icônica Margaret Court. Também australiana, Court é vencedora de impressionantes 64 Grand Slam durante sua carreira, sendo 24 conquistas em simples (11 na Era Aberta e 13 na Era Amadora), 19 em duplas e mais 21 em duplas mistas.

Todas estas arenas possuem cobertura retrátil, tornando o Australian Open como o único Major a obter três espaços equipados com este sistema, acionado em casos de chuva ou calor extremo para proteger a saúde dos atletas.

Construída para acomodar 5.000 pessoas, a Kia Arena será inaugurada como a maior arena sem cobertura desta edição 2021. Entre espaços para jogos, locais de treinamentos e aquecimento, Melbourne Park conta com 35 quadras em seu complexo.

FORMATO DE DISPUTA

Antes de iniciar a chave principal, o Australian Open promove um qualificatório com três rodadas para a modalidade simples, reunindo 128 postulantes para preencher as últimas vagas restantes.

16 atletas que venceram suas chaves anteriores mais um sorteado como “lucky loser” (uma espécie de “perdedor sortudo” que seria eliminado ao perder no quali) se juntam aos outros 111 tenistas previamente classificados da chave principal para competir pelo cobiçado título. Todos os jogos são eliminatórios.

As duplas, tanto do mesmo gênero quanto mistas, não necessitam da disputa do qualificatório.

A primeira final do Australian Open geralmente é disputada pelas duplas femininas na sexta-feira da segunda semana. No sábado ocorrem as decisões do simples feminino e das duplas mistas. Para encerrar, o domingo contêm as finais de simples e duplas masculinas.

PONTUAÇÃO

Conforme seu avanço, os jogadores vão somando pontos para adicionar ao ranking mundial. Por serem os torneios mais importantes do calendário, os quatro Grand Slam são os únicos a distribuírem 2.000 pontos aos vencedores tanto de simples quanto de duplas.

PREMIAÇÃO

Estipulado no valor recorde de 75 milhões de dólares australiano, ou cerca de 54.200.000,00 de dólares americano (aproximadamente 300 milhões de reais) em premiações totais, os campeões de simples masculino e feminino irão faturar a bolada de 4.400.000,00 milhões de dólares australiano cada, enquanto os vencedores de duplas em cada gênero terão a direito a 800 mil e os ganhadores nas duplas mistas levarão 600 mil dólares australiano.

No câmbio atual, o dólar australiano está cotado em torno de R$ 3,99 no Brasil. Confira abaixo a tabela com os valores (convertidos em reais) que cada tenista terá direito de acordo com sua passagem de fase.

* 1ª rodada e 2ª rodada de duplas masculino e feminino

** 1ª rodada de duplas mistas

ONDE ASSISTIR

A cobertura do Australian Open será exclusiva dos canais ESPN na TV paga. A Disney, através da Star+, disponibilizará todos os jogos da competição em sua plataforma de streaming.

 

 

LEIA TAMBÉM:

Tenista argentino descobre desfalque milionário deixado pelo pai

Djokovic tem visto cancelado e pode ficar fora do Australian Open

Djokovic pode ter manipulado teste de Covid-19 antes de ir para a Austrália; entenda

Tenista passa mal durante jogo, diz a árbitra brasileira que jogou com Covid-19 na Austrália e aposta um jantar

Alvo do Flamengo, Salcedo faz postagem enigmática e agita torcedores

Mercado da Bola: Ex-Palmeiras, Jaílson negocia com clube da Séria A

De saída? Flamengo receberá nova oferta milionária para vender destaque da equipe

Atlético-MG bate o martelo e define futuro de meio-campista para 2022