Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

De Zé Gatinha a Loco Abreu: Por onde andam 11 ex-jogadores do Botafogo?

Relembre a passagem de jogadores que deixaram ou não saudades no torcedor do Botafogo

Wilson Pimentel
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Vitor Silva /Botafogo

O Botafogo tem uma lista extensa de jogadores que foram contratados nesta década. Poucos conseguiram repetir o sucesso de Loco Abreu com a camisa alvinegra. Alguns foram prontamente negociados, enquanto outros não tiveram seus esforços reconhecidos e foram dispensados imediatamente pela diretoria. Porém, muitos desses atletas fazem sucesso em outros clubes ou ainda buscam um lugar ao sol.

Cartão de crédito sem anuidade? Abra sua conta Meu BMG agora!

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!

Siga o Torcedores também no Instagram

E você, ainda lembra dos nomes que levaram o Botafogo a segunda divisão? E aquele gringo que não deixou saudades? E o jogador com nome e apelido exóticos? E o prata da casa que não emplacou com a camisa alvinegra? E o ídolo que se tornou um andarilho do futebol? Veja abaixo a lista de alguns dos principais nomes que passaram recentemente pelo clube da Estrela Solitária, e como tem sido o desempenho deles em seus respectivos clubes.

Hélton Leite (Botafogo: 2014 – 2017)

Filho de João Leite, um dos maiores ídolos do Atlético-MG, Hélton Leite de 29 anos foi contratado pelo clube em 2014. Ele chegou com a missão de ser reserva imediato de Jefferson. Porém, o goleiro disputou apenas 32 partidas nas três temporadas pelo time da Estrela Solitária. Após ser dispensado pela diretoria alvinegra, o jogador teve uma breve passagem pelo São Caetano. Porém, Hélton Leite conseguiu reconhecimento e fama atuando em Portugal. Por outro lado, o arqueiro é um dos principais destaques do Campeonato Português. Nesta temporada, ele disputou 36 partidas e foi eleito duas vezes o melhor goleiro do mês atuando pelo Boavista. De acordo com a imprensa local, Hélton Leite está na mira de Benfica e Porto.

Erick Brendon (Botafogo: 2015)

Formado nas divisões de base do Botafogo, Erick surgiu como solução para a lateral-direita em 2015. No entanto, o jogador sequer teve oportunidade para se firmar nos profissionais no ano que o Alvinegro disputou pela segunda vez a Série B do Campeonato Brasileiro. Após deixar o clube, Erick passou pelo America (RJ), Barra da Tijuca (RJ) e Goytacaz (RJ). Posteriormente, foi levado por um grupo de empresários para atuar na Europa. Atualmente, Erick Brendon atua pelo IFK Värnamo, da terceira divisão da Suécia. Na última temporada, o seu time chegou na última rodada da competição com chances de subir de divisão. Porém, o time não conseguiu a promoção.

Rodrigo Defendi (Botafogo: 2012 – 2013)

Revelado pelo Cruzeiro, Rodrigo Defendi foi contratado em 2013. A princípio, chegou com status de “zagueiro internacional”. Afinal, ele já acumulava passagens por Tottenham (ING), Udinese (ITA), Roma (ITA), Avelino (ITA) e Vitória de Guimarães (POR). O becão integrou o elenco alvinegro na conquista do Campeonato Carioca de 2013. Porém, nunca conseguiu apresentar um futebol convincente capaz de desbancar os titulares Antônio Carlos e Fábio Ferreira. Nesse ínterim, entrou em campo por apenas 29 minutos, em partidas contra o Duque de Caxias e o Quissamã, pelo Campeonato Carioca. Após ter o contrato rescindido pelo Botafogo, Defendi passou pelo Shijiazhuang Yongchang, da China, e Maribor, da Eslonênia. Em Portugal desde 2017, o jogador vestiu as camisas do Desportivo das Aves e Estoril Praia, seu atual clube. Nesse ínterim, venceu a Taça de Portugal na temporada 2017/2018.

Dankler (Botafogo: 2013 – 2015)

Dankler atuou por duas temporadas pelo Botafogo. Ele foi um dos símbolos do fracasso alvinegro em 2014. Naquele ano, o time foi rebaixado pela segunda vez para a Série B do Campeonato Brasileiro. Após deixar General Severiano, ele teve breve passagem pelo Vitória de Setúbal, de Portugal. Porém, o jogador de 28 anos revelado pelo Vitória (BA) se tornou um dos principais estrangeiros em atividade no futebol japonês. De acordo com a imprensa local, Dankler pode obter a cidadania japonesa para defender a seleção nipônica. Titular do Vissel Kobe, ele tem como companheiro os espanhóis Andrés Iniesta e David Villa, além do alemão Lukas Podolski. O zagueirão soma 35 partidas pelo seu atual clube.

Lucas Lima (Botafogo: 2014)

Cria do Criciúma, Lucas Lima passou pelo Internacional e Paraná antes de chegar no Botafogo em 2014. Conhecido apenas como “Lima” durante sua passagem pelo futebol brasileiro, ele teve atuações pouco convincentes com a camisa alvinegra. Posteriormente, ele passou pelo Goiás e ABC (RN) onde também não deixou saudades. Após passagens destacadas pelo Arouca, de Portugal, e Nantes, da França, o jogador foi negociado com o Al Ahli, da Arábia Saudita. Lucas Lima, inclusive, pode trocar de clube novamente no próximo ano. Afinal, o lateral está na mira de clubes da Coréia do Sul, China, Emirados Árabes e Japão. Ele já disputou 18 jogos e marcou um gol pelo clube na atual temporada.

Jean Carioca (Botafogo: 2014)

Jean Carioca foi contratado pelo Botafogo em 2014. Revelado pelo ABC (RN), mas vinculado ao Tombense (MG), ele chegou ao clube levado pelo poderoso empresário Eduardo Uran. Porém, não conseguiu se firmar no time comandado pelo técnico Eduardo Húngaro. Após deixar o clube sem deixar saudades na torcida, Jean passou pela Ponte Preta, Figueirense, XV de Piracicaba, CSA, Tigres do Brasil, entre outros clubes. No exterior, defendeu o Skoda Xanthi, da Grécia, Torrense, de Portugal, além do FK Kukësi, da Albânia. Atualmente, Jean Carioca é faixa e camisa 10 do KF Feronikeli, do Kosovo. Por lá, ele já disputou 59 partidas e marcou 13 gols.

Alessandro Scheppa (Botafogo: 2018)

Alessandro Sheppa, de 21 anos cujo apelido é “Zé Gatinha”, foi reforço do Botafogo em 2018. Ele virou piada nas redes sociais antes mesmo de sua apresentação oficial pelo clube. Poderia ser apenas mais uma contratação, mas ao mesmo tempo o apelido não deixou o jogador em paz. No Twitter, enfim, torcedores rivais deitaram e rolaram nas gozações: “O Botafogo agora tem: (Rodrigo) Lindoso, Gatinha e (Rodrigo) Pimpão!”. Revelado pelo Espírito Santo FC, Alessandro Scheppa, ou Zé Gatinha, passou por um período de experiência no clube ante de assinar contrato até o fim daquela temporada. Porém, o jogador foi dispensado após atuar incríveis 26 minutos com a camisa alvinegra. Atualmente, Alessandro joga no Primavera (SP) após breve passagem pelo Alverca (POR).

Luis Ramírez (Botafogo: 2014)

Foi contratado por indicação do técnico Vagner Mancini em meio aos problemas financeiros do Botafogo em 2014. “Canchito”, como é conhecido em seu país, foi emprestado juntamente com Emerson Skeik pelo Corinthians. Porém, o peruano de 35 anos não conseguiu emplacar uma boa sequência de jogos com a camisa alvinegra. Além disso, ele peruano não teve o empréstimo renovado após acumular uma série de lesões musculares. Após deixar General Severiano, Ramírez passou pela Ponte Preta, Libertad (PAR), Universitário (PER), Coronel Bolognesi (PER), Cienciano (PER), além do Alianza Lima (PER). Atualmente, o ex-jogador do Botafogo atua pelo Sport Boys onde disputou cinco partidas e fez um gol em 2020.

Joel Tagueu (Botafogo: 2014)

O camaronês foi contratado pelo Botafogo para a temporada de 2017. Ele chegou no pacotão de reforços que tinha o goleiro Gatito Fernández e o meia Walter Montillo. Indicado pelo coordenador técnico Antônio Lopes, o atacante de 25 anos chegou no Brasil em 2009 para atuar nas divisões de base do Iraty (PR). Joel viveu seu melhor momento no Coritiba. Posteriormente, teve passagens apagadas por Cruzeiro, Santos, Avaí e Marítimo, de Portugal. Vinculado ao Cruzeiro até junho deste ano, o atacante apresentou problemas cardíacos no início desta temporada. Com isso, foi ficou de fora da disputa da Copa Africana de Nações.

Luis Henrique (Botafogo: 2015 – 2017)

Luis Henrique foi promovido aos profissionais do Botafogo em 2015. O atacante foi o 12º jogador do clube na Série B do Campeonato Brasileiro. Ele, inclusive, foi bastante utilizado pelo técnico Ricardo Gomes como substituto de Neilton e Navarro que atuam pelo clube naquela temporada. O “Garoto de Ouro”, como era chamado na base alvinegra, entrou em rota de colisão com os dirigentes após não chegar a um consenso contratual por divergências salariais. Com isso, ele foi negociado com o Athletico Paranaense. Posteriormente, passou sem destaque pelo Nacional (SP), Oeste (SP) e Grêmio. Logo depois, aventurou-se no Feirense, de Portugal, e atualmente joga pelo HIFK, da Finlândia, onde tem seis gols anotados em 10 partidas.

Loco Abreu (Botafogo: 2010 – 2012)

Loco Abreu é um dos maiores ídolos da história recente do Botafogo. Em dois anos vestindo a camisa do clube, ele marcou 62 gols em 105 partidas. O seu momento mais marcante com a camisa alvinegra foi no título carioca de 2010, quando o uruguaio fez de cavadinha o gol da conquista sobre o Flamengo. Após deixar General Severiano, “El Loco” se tornou um verdadeiro andarilho do futebol. Atuou por clubes do Chile, Paraguai e El Salvador. Além disso, teve curta passagem pelo Bangu. Aos 42 anos, Loco Abreu está longe de pendurar as chuteiras. Atualmente, o jogador atua no Boston River, do Uruguai.

LEIA MAIS:

Loco Abreu, Seedorf e Honda: relembre os gringos do Botafogo na década

Botafogo espera arrecadar R$ 24,5 milhões até o fim do ano com “Hondamania”