Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Ídolo do Botafogo, Inter e goleiro de Copa; conheça a história de Manga

Neste domingo (26), o ex-goleiro completará 83 anos de carreira vitoriosa e de várias histórias

Victor Martins
Um homem que acredita ser jornalista, escritor e 'chato'. Decidam vocês qual será a opção escolhida.Formado na Universidade Metodista de São Paulo. No Torcedores desde 2016 ou algo parecido.

Crédito: Manga.Treino do Botafogo no Estadio Nilton Santos. 13 de Marco de 2020, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Foto: Vitor Silva/Botafogo. Imagem protegida pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.

Neste domingo, um personagem histórico do futebol brasileiro fará aniversário. Haílton Corrêa de Arruda, o Manga, fará 83 anos de vida. Grande parte dela dedicada ao futebol, se tornando um dos maiores goleiros da história do país.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram 

Com passagens de sucesso pelo exterior e campeão brasileiro com quase 40 anos de idade, Manga tem diversas histórias sobre sua vida. Para relembrar a ligação do ex-goleiro com o futebol, relembraremos algumas delas.

Sem luvas

As luvas são instrumentos de trabalho corriqueiros na vida dos goleiros, mas para o arqueiro aniversariante do fim de semana, não. Em toda a sua carreira, o ex-botafoguense e colorado jogou com as mãos nuas, sem usar luvas porque dizia ‘não confiar nelas’.

“Naquela época, as luvas não eram muito boas, ficavam muito frouxas nos dedos e eram bem grossas. A gente tinha que esfregar a mão na terra para sentir mais segurança, especialmente nos jogos em que chovia e a bola estava escorregadia. Não gostava de agarrar a bola com luvas porque não me passavam confiança”, disse Manga em entrevista ao Globoesporte.com em 2018.

Campeão por onde passou (e quase aos 40)

Pelo Sport, onde surgiu, o goleiro foi três vezes campeão pernambucano no final dos anos 50, mas foi no Botafogo em que brilhou de forma mais forte no cenário nacional. Foi campeão da Taça Brasil em 1968, conquistou quatro Cariocas e três Rio-São Paulos, além de um lugar na seleção brasileira. E uma forte rivalidade com o Flamengo, nok qual fazia diversas provocações antes dos jogos

E também colecionou títulos no Inter, já beirando os 40 anos. O goleiro foi titular dos títulos brasileiros em 1975 e 1976 numa equipe que marcou história com Falcão, Valdomiro, Caçapava e outros astros da camisa colorada naqueles anos.

No futebol brasileiro, Manga também colecionou títulos atuando pelo Operário-MS, Coritiba e Grêmio, isto já com mais de 40 anos de idade

Sucesso Internacional

Numa época em que não muitos atletas brasileiros jogavam fora, Manga foi ídolo no Uruguai. Pelo Nacional time que defendeu entre 1969 e 1974, o goleiro foi ídolo e foi astro na conquista da Libertadores de 1971 e do Mundial Interclubes daquele mesmo ano. Além de quatro vezes ser campeão uruguaio.

No final de sua carreira, transferiu-se para o Equador. onde se aposentou em 1982 defendendo o Barcelona de Guayaquil. Depois, passaria a morar no país e a trabalhar em diversos clubes do futebol equatoriano.

De volta ao Brasil

Depois de morar anos no Equador, Manga retornou ao Brasil e foi alvo de uma bela ação do Botafogo e sua torcida. O jogador passou a morar no Retiro do Artistas, no Rio de Janeiro, com a camisa totalmente reformada por dinheiro doado por torcedores botafoguenses, como forma de homenagear uma das maiores lendas do clube.

Na Seleção

Manga atuou 12 vezes com a camisa da seleção brasileira. Seu maior período de sucesso foi na Copa de 1966, quando foi convocado. Mas sua única partida naquele Mundial teve fim melancólico, derrota para Portugal de Eusébio por 3 a 1 e eliminação ainda na primeira fase.

LEIA MAIS

Na Itália, Guardiola, Luca Toni e Baggio jogaram juntos na mesma equipe; relembre

( Foto: Vitor Silva/Botafogo. )

As melhores notícias de esportes, direto para você