5 zagueiros que brilharam no ofensivo Santos de Pelé

Todo mundo acha que aquele time era puro ataque, mas não era só isso

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores

Crédito: Mauro ao lado de Pelé na década de 60 (Divulgação/Arquivo Santos FC)

Muitas pessoas acham que o Santos de Pelé era puro ataque e ofensividade, mas vários zagueiros daquela equipe frequentaram a Seleção e um até foi bicampeão do mundo.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes
https://www.facebook.com/TorcedoresOficial

Veja 5 zagueiros que brilharam no ofensivo Santos de Pelé:

Mauro Ramos
O ídolo do São Paulo escolheu trocar o time pelo Santos em 1959 e encontrou por lá um time que precisava de sua liderança para assombrar o futebol brasileiro. Bicampeão do mundo, foi titular por sete anos e faz parte do time dos sonhos do clube. Se aposentou em 1967 no Toluca, do México.

Calvet
O polivalente Calvet podia jogar de volante ou zagueiro e brilhou ao lado de Mauro. Chegou ao clube em 1960 após passagem longa pelo Grêmioe sempre se impôs na defesa do peixe. Se aposentou em 1965 com a camisa do clube.

Dalmo
O primeiro a chegar da “turma” da zaga, Dalmo foi revelado pelo Paulista e fez sucesso no Guarani antes de desembarcar na Vila Belmiro. Chegou com Pelé, em 1957, e ficou no clube até 1965, tendo participado dos principais títulos. Se aposentou em 1967, no Paulista.

Joel Camargo
Revelado pela Portuguesa Santista em 1962, Joel foi contratado pelo Santos em 1963 e assumiu a zaga com a saída dos experientes já citados acima. Se tornou ídolo no clube e só saiu em 1971 para ser o primeiro brasileiro a defender o PSG. Se aposentou em 1973 no extinto Saad São Caetano.

Olavo
O zagueiro foi revelado no clube na década de 40, mas rodou por Portuguesa e Corinthians antes de voltar em 1960 para ser imediato na equipe. Olavo era constantemente titular ao lado de Mauro ou Calvet e participou das principais conquistas. Se aposentou no próprio Santos em 1966.

Leia mais:
5 jogadores que eram chamados de lentos, mas foram verdadeiros craques