Andrés recorda gastos do Corinthians e diz que “conta chega”: “Palmeiras era um time rico e hoje é um time pobre”

Presidente do Corinthians citou o Palmeiras como exemplo para justificar seu ponto de vista

Bruno Romão
23 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians

Em entrevista ao “Esporte Interativo”, Andrés Sanchez avaliou as decisões do Corinthians no mercado da bola. Por conta do histórico passado, o presidente do clube vem optando por não realizar grandes contratações. Apesar dos títulos conquistados, ele acredita que os prejuízos financeiros acabaram prejudicando bastante o time, já que a conta chegou e precisou ser paga.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

Diante disso, em sua análise, o dirigente citou o exemplo do Palmeiras. Anteriormente, o Alviverde fez investimentos de peso, mas em 2020 optou por não gastar tanto para reforçar o elenco, apostando nos garotos da base. Portanto, o caso inverso, que ocorreu com o Flamengo, também foi mencionado por Andrés.

Sabemos que começamos a montar o time no ano passado e sabemos que precisamos trazer três ou quatro peças pro ano que vem. Espero que seja o Duílio (Monteiro Alves) o presidente e ele fique com mais cabelos brancos para reforçar o time. Nós podíamos trazer outros jogadores, mas sou contra pagar R$ 1.5 milhão ou R$ 2 milhões por mês, acho que não cabe isso no Brasil. Eu não faria isso, mas se ele tiver vontade de fazer é um problema dele.

“Nosso problema começou quando tivemos que pagar a Arena e em 2013 que achamos que éramos o Manchester City ou United, com um bilionário por trás, e gastamos uma fortuna em jogadores. Ganhos campeonatos? Ganhamos, mas a conta chega. Como vai chegar para os times que estão aí. Há um ano, o Palmeiras era um time rico e hoje é um time pobre. O Flamengo era pobre e hoje é rico. A cada seis meses vai mudando as coisas e vamos convivendo com isso”, declarou ao programa “De Placar”.

LEIA MAIS