Copa do Mundo: Obras do Qatar chegam a 90% de conclusão em meio à pandemia e surpreendem presidente da FIFA

Não houve atrasos devido à pandemia do novo coronavírus

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgação / Fifa

O presidente da FIFA, Gianni Infantino, visitou as obras dos estádios para a Copa do Mundo de 2022, no Qatar, e se mostrou surpreso com a evolução no projeto mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus.

Conheça a Bet4Plus e experimente fazer uma aposta esportiva grátis, sem necessidade de depósito

Segundo o Comitê Organizador da Copa do Mundo, as obras já chegaram a 90% de conclusão. O estádio de abertura do Mundial, o Al Bayt, com capacidade para 60 mil pessoas, está finalizado, restando apenas um jogo de inauguração como evento-teste para que o estádio seja totalmente liberado.

“Estou muito contente com o progresso do Catar em relação ao torneio. Nós vimos os planos, mas quando você vê a realidade, é ainda mais impressionante”, disse Infantino em entrevista à imprensa local, ao lado de representantes do Comitê Organizador.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

“O país conseguiu avançar nos últimos seis meses, mesmo com o mundo paralisado por causa da pandemia.”

CEO do Comitê Organizador da Copa do Mundo no Qatar, o xeique Nasser Al Khater confirmou a evolução das obras e a rapidez na construção dos estádios e de toda a parte externa para a disputa do Mundial de 2022.

“Em relação à infraestrutura, estamos em ótima posição, com quase 90% das construções completas, em todos os projetos”, revelou Al Khater ao lado de Infantino.

“No momento o nosso foco passa da entrega da estrutura para o refinamento e detalhamento do plano operacional.”

Devido ao clima do Qatar, a Copa do Mundo de 2022 será disputada em datas diferentes das tradicionais. Em vez de junho e julho, o Mundial será disputado em novembro e dezembro, inverno no Oriente Médio. A estreia do torneio está marcada para o dia 21 de novembro, enquanto a decisão será no dia 18 de dezembro.

Leia mais:
Brasileirão: Times vão à CBF e pedem liberação de jogadores de convocação