Dirigente e filho de sócio do Bucks, Alex Lasry é vacinado com 33 anos e causa polêmica: “Eu tive sorte”

Vice-presidente sênior do Milwaukee Bucks, Alex Lasry tem 33 anos e é filho de Marc Lasry, um dos donos da franquia de Wisconsin da NBA

Willian Ferreira
Colaborador do Torcedores.com e contador de histórias do esporte.

Crédito: Twitter/Reprodução

Um dos grandes desejos de toda e qualquer pessoa na Terra é ser vacinado contra o coronavírus. No final de janeiro, Alex Lasry conseguiu tal feito. E criou polêmica por conta da situação. Vice-presidente sênior do Milwaukee Bucks, uma das franquias da National Basketball Association (NBA), ele publicou no Twitter que está imunizado. Com 33 anos, ele, entretanto, “furou a fila”, como convencionou-se dizer.

Em uma série de tweets, ele explicou a situação:

Tradução e explicação

(Tradução dos tweets: “Esta semana fui vacinado! Minha esposa recebeu um telefonema do tio. Ele trabalha em uma instalação que tinha doses extras que iriam para o lixo se não fossem usadas imediatamente. Com Lauren no início de sua gravidez, queríamos garantir que nossa casa e toda a comunidade fossem seguras para todos. Foi pura casualidade, mas estou incrivelmente grato. É seguro e saudável. Vamos finalmente sair desta pandemia. À medida que a distribuição continua, se disponível, não desperdice nenhuma vacina! Seja vacinado!”)

Em entrevista ao jornal Milwaukee Jornal Sentinel, ele explicou como foi vacinado. Alex Lasry ainda deixou claro que ser filho de Marc Lasry, um dos donos do Bucks, nada tem a ver com a vacinação. “Eu tive sorte. A minha posição ou do meu pai não teve nada a ver com nada. Honestamente, se eu não fosse casado com Lauren, não sei se saberia sobre a vacina ou recebido alguma ligação”, finalizou o dirigente.

LEIA MAIS
Chamado de “bonitão” por companheiro, experiente quarterback da NFL afirma: “Ainda tenho gasolina no tanque e posso fazer muito mais”
Torcedor que usou laser para atrapalhar Tom Brady na NFL é condenado a pagar multa e jamais entrará em estádio novamente
Nike cancela lançamento de tênis que tinha bandeira dos EUA ligada à segregação racial após protesto de ex-jogador da NFL