Olimpíadas de Tóquio: Conheça os adversários do Brasil no futebol masculino

No Japão, a seleção brasileira sub-23 busca sua segunda medalha de ouro olímpica

Wilson Pimentel
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Lucas Figueiredo/ CBF

Antes de mais nada, o Brasil vai disputar as Olimpíadas de Tóquio 2020 com o objetivo de conquistar o Bicampeonato. Após vencer o ouro para o país na Rio 2016, a seleção brasileira vai entrar em campo sem a pressão de nunca ter subido no lugar mais alto do pódio do torneio.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

A Seleção Brasileira sub-23 disputou 22 partidas durante todo o ciclo de preparação olímpico. Nesse ínterim, foram 15 vitórias, três empates e quatro derrotas. Além disso, o time marcou 53 gols e sofreu 19.

Nestas partidas, o técnico André Jardine observou e analisou o desempenho quase 80 jogadores. O artilheiro é o atacante Matheus Cunha, do Hertha Berlin, da Alemanha. Foram 16 gols marcados com a camisa amarelinha. Ou seja, foi responsável por 33,3% dos gols do time tupiniquim.

Contudo, outros jogadores como Daniel Alves, lateral do São Paulo, Guilherme Arana, lateral do Atlético-MG, Bruno Guimarães, volante do Lyon, também estão com moral junto à comissão técnica.

Atual campeão olímpico, o Brasil é o cabeça de chave no Grupo D. A sua jornada começa em Yokohama, contra a Alemanha, no dia 22 de julho. Três dias depois, a seleção brasileira enfrenta a Costa do Marfim, na mesma cidade. E no dia 28 pega a Arábia Saudita, em Saitama.

E os nossos adversários? 

Alemanha

Protagonista da vergonhosa goleada de 7 a 1, que marcou a eliminação do Brasil na Copa do Mundo de 2014, a Alemanha é detentora de apenas uma medalha de ouro. Em 1976, a equipe representada na época, pela Alemanha Oriental.

As equipes, inclusive, fizeram a final do torneio de futebol masculino na Rio 2016. Após empate em 1 a 1 no tempo normal e na prorrogação, os alemães foram derrotas por 5 a 4 nos pênaltis no Maracanã.

Agora, o time comandado por Stefan Kuntz promete dar o troco com uma equipe mais rodada após conquistar a Eurocopa sub-21. O atacante Lukas Nmecha, autor do gol do título, é o principal nome da equipe germânica que vai brotar em campo nas Olimpíadas de Tóquio.

Time base (4-2-3-1): Finn Dahmen (Mainz); Ridle Baku (Wolfsburg), Nico Schlotterbeck (Union Berlin), Amos Pieper (Arminia Bielefeld) e David Raum (Hoffenheim); Arne Maier (Arminia Bielefeld), Niklas Dorsch (Gent), Florian Wirtz (Bayer Levekusen), Salih Ozacan (Colônia) e Mergim Berisha (Red Bull Salzburg); Lukas Nmecha (Anderlecht).

Costa do Marfim

Após participar de três edições de Copa do Mundo (2006, 2010 e 2014), a Costa do Marfim chega a Olímpiada de Tóquio disposta a ser a surpresa do Grupo D. Afinal, a equipe deseja repetir o feito de Nigéria e Camarões que faturaram o ouro em 1996 e 2000, respectivamente.

A equipe comandada pelo técnico Soualiho Haidara tem uma base muito forte. Afinal, os jogadores já atuam nas principais ligas europeias como França, Inglaterra, Itália e Portugal. E também em clubes como Amiens, Chelsea, Fiorenrina e Estoril Praia.

Time base (4-3-3): Nicolas Tié (Chelsea); Zié Ouattara (Vitória de Guimarães), Ismael Diallo (Ajaccio), Yves Dabila (Mouscron) e Silas Gnaka (Eupen); Hamed Trorè (Sassuolo), Lazare Amani (Estoril Praia) e Ibrahim Sangaré (PSV); Christian Kouamé (Fiorentina), Anderson Niangbo (Gent) e Cheick Timité (Amiens).

Arábia Saudita

A Arábia Saudita participou oito vezes dos Jogos Olímpicos, porém, sem nenhum protagonismo no quadro geral de medalhas. No futebol masculino, só para exemplificar, a equipe não conseguiu classificação para Londres 2012 e Rio 2016. É, portanto, o azarão do grupo D nas Olimpíadas de Tóquio.

Aliás, o maior feito do futebol saudita aconteceu no longínquo ano de 1994. Na ocasião, a equipe fez surpreendente campanha na sua primeira participação em uma Copa do Mundo. Nos Estados Unidos, o time chegou às oitavas de final.

Contudo, a missão em Tóquio é não se tornar o saco de pancadas do torneio de futebol masculino. A princípio, o craque do time é o artilheiro Firas Al-Ghamdi, de 21 anos, que foi contratado nesta temporada pelo Gimnàstic de Tarragona, da Espanha.

Time base (4-3-2-1): Nawaf Al-Ghmdi (Al Hilal); Muhannad Al-Shanqeeti (Al Ittihad), Saud Abdulhamid (Al Ittihad), Hassan Al-Tambakti (Al-Shabab) e Hazin Al-Zahrani (Al Ittihad); Mansor Al-Beshe (Al-Raed), Ibrahim Mahnashi (Al-Ettifaq), Turki Al-Ammar (Al-Shabab) e Hamed Al-Ghamdi (Al-Ettifaq) e Firas Al-Burainkan (Al-Faisaly); Firas Al-Ghamdi (Gimnàstic-ESP).

LEIA MAIS: 

Afundado em dívidas, Botafogo recusa oferta do Internacional por lateral; saiba os valores! 

‘Pagode do Mirage’: atacante do Paysandu é flagrado em festa clandestina em Belém; clube ainda não definiu punição 

Chapecoense quer compensação financeira para liberar cria da base para o Remo