Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Funcionária da CBF que acusa Caboclo de assédio desabafa sobre caso: “Uma dor que nunca acaba”

Mandatário está afastado das atividades na entidade após eclodir polêmicas e fortes acusações

Cido Vieira
Jornalista formado e apaixonado por futebol desde criança. No Torcedores.com desde o ano de 2017, já acumulei diversas funções no site e atualmente me dedico a cobertura do futebol nordestino. No Twitter, @cidovieira90.

Crédito: Lucas Figueiredo - Divulgação - CBF

Em entrevista ao programa “Fantástico” deste domingo (19), a funcionária da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) que acusa o presidente afastado Rogério Caboclo de assédio sexual fez revelações e detalhou o sentimento vivenciado com o episódio de escândalo na instituição que rege o futebol brasileiro.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

“É uma dor que não acaba”. Eu ficava tensa, chegava em casa chorando. No dia seguinte acordava e pensava: ‘Não vai ser tão ruim, eu preciso desse trabalho’. E chegava no trabalho e era pior”, disse a mulher à revista eletrônica da TV Globo.

Na entrevista, a funcionária, que não teve o nome revelado para preservar sua identidade, trouxe revelações fortes sobre o comportamento do então presidente da CBF.

“Ele começou a fazer comentários sobre um diretor da CBF. ‘Você vai contar para fulano, você é a cadelinha dele’. Quando eu comecei a falar, ele latiu para mim, foi até a cozinha e voltou com um saco de biscoito de cachorro e me ofereceu”, relata a vítima.

Um dia depois deste episódio, o mandatário da entidade foi confrontado pela mulher sobre as ofensas, e disse que não iria mais comentar sobre a vida pessoal dele.

“Mas disse também que eu não poderia mais ser amiga de ninguém, sorrir para ninguém e que teria que mudar a forma de me vestir. Ele queria ter mais poder sobre mim, não só como patrão, mas como homem. Eu tinha muito medo dele”, relata a vítima, dizendo que foi ameaçada por Caboclo e que o presidente teria enviado um carro para monitorá-la na porta de casa.

“A minha depressão chegou num nível que pensei: ‘Vou morrer’. Aquilo foi acabando comigo.”, desabafou a mulher, que após ficar cinco meses afastada, retornou ao trabalhos na CBF no início de setembro.

LEIA TAMBÉM:

Disputa por Daniel Alves, Paulinho no Timão, Ricardo Oliveira na Série B: negociações que podem ser fechadas nesta semana no mercado

Galvão dispara críticas à CBF em transmissão do jogo do Brasil: “Não se sabe quem manda”

Proposta por jogador da Seleção, substituto de Volpi, atacante assina contrato: destaques do mercado da bola no São Paulo

Ônibus de time paulista são incendiados dentro de estádio; polícia investiga o caso

Brasileirão, Barcelona e mais: veja a agenda de jogos de hoje (20)

Libertadores, dérbi no Brasileirão e mais: veja 20 jogos para ficar de olho

Messi revoltado, mudança no VAR, gafe da Globo e assassinato: veja as notícias do fim de semana

Daniel Alves disputado, Paulinho no Timão, Ricardo Oliveira na Série B: negociações que podem ser fechadas nesta semana no mercado