Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Messi, Corinthians, Flamengo e mais: criptomercado pode causar mudanças drásticas no mundo do futebol

Caso de Messi, que vai receber parte do salário no PSG em criptomoeda do clube, representa possibilidades vantajosas do criptomercado para atletas, clubes e torcedores

Mário André Monteiro
Jornalista com passagens por Portal iG, Fox Sports e Osasco Audax. Atualmente editor do Alemanha FC (http://www.alemanhafc.com.br). No Twitter: @alemao_mario e no Instagram: @marioalemao

Crédito: Socios.com / Divulgação

A contratação de Lionel Messi pelo PSG causou ainda mais surpresa do que o esperado, já que foi divulgado que uma parte do pagamento do contrato foi feito por meio do Paris Saint-Germain Fan Token (PSG), a criptomoeda oficial do clube francês.

PSG anuncia que parte do salário de Lionel Messi será pago em criptomoedas

O ativo digital do PSG foi criado em parceria com a Socios.com, que fornece tokens relacionados ao mundo do futebol, alimentada pela já consolidada criptomoeda Chiliz (CHZ).

Investidores do criptomercado já veem as possibilidades desse tipo de transação ganharem ainda mais notoriedade, até porque o futebol é o esporte mais popular do mundo.

Além da contratação de um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, o tipo de pagamento com parte em tokens pode ser interessante para o mercado, fortalecendo o novo formato de transação digital.

A atitude do PSG é inovadora e traz ainda mais credibilidade ao mercado de criptomoedas. Logo após a contratação de Messi, a cotação da moeda do clube francês disparou no mercado, valorizando 112% no dia da confirmação do negócio, atingindo seu recorde histórico (59 dólares).

Além disso, a novidade puxou outras moedas digitais do mundo do futebol, como a do Barcelona, a FC Barcelona Fan Token (BAR), que valorizou 10% nas mesmas 24 horas.

As melhores notícias de esportes, direto para você

 

Como funciona?

Os fan tokens do PSG são criptomoedas que fazem parte de um blockchain específico ligado à marca Paris Saint-Germain.

“O fan token do Paris Saint-Germain foi criado com o objetivo de reverter parte da arrecadação para o clube, que pode usá-lo para novas contratações ou investir nos clubes de base, entre outras ações”, disse Francisley Valdevino da Silva, CEO da Intergalaxy SA, empresa especializada em tecnologia e comunicação que desenvolve softwares, interfaces e aplicativos através da rede blockchain.

“Quando um torcedor compra tokens de um time, ele pode ter acesso a conteúdos exclusivos, por exemplo. A marca monetiza e engaja com seus fan tokens e o torcedor se sente mais envolvido em decisões, entre elas contratações de atletas”, continuou.

A movimentação descentralizada, típica do criptomercado, é uma grande vantagem para jogadores, em especial para os que atuam no futebol do exterior.

“É o estabelecimento de um novo padrão monetário. O token que se compra de qualquer clube pode ser negociado em qualquer bolsa de criptoativo do mundo. Citando o Messi: ele pode receber o pagamento em uma conta digital na França e sacar aqui no Brasil, por exemplo”, detalhou Francisley.

Cada país tem sua legislação para uso desse tipo de ativos. No Brasil, por exemplo, pode-se ter até 30 mil reais por mês de movimentação em criptoativos isentos de imposto de renda.

“A realidade da maioria dos jogadores do Brasil é ter um salário menor do que R$ 30 mil por mês. Seria uma possibilidade de os clubes pagarem aos jogadores, que teriam um ganho maior. Eles podem internacionalizar patrimônio, além da isenção de impostos. Até a contratação de jogadores brasileiros por times de outros países seria facilitada”, complementou o especialista.

Futebol brasileiro na onda das criptomoedas

No futebol brasileiro, a própria CBF (Confederação Brasileira de Futebol) conta com sua fan token, além de clubes como Atlético-MG, Vasco e Cruzeiro.

Neste mês de setembro, o Corinthians lançou o criptoativo $SCCP. Criada pela plataforma Socios.com, a mesma do Paris Saint-Germain, a moeda chegou ao mercado com o preço inicial definido em 2 dólares, que também pagos com a criptomoeda nativa da plataforma, a Chiliz (CHZ).

A criptomoeda corintiana esgotou em menos de duas horas após o lançamento, arrecadando quase R$ 9 milhões. Além de receber as moedas, os investidores terão o direito de participar de votações no clube, ganhar brindes e participar de promoções exclusivas.

O mesmo modelo será seguido pelo Flamengo, que está preparando o lançamento da $MENGO Fan Token, que deverá gerar, até o final de 2025, uma renda de até R$ 145 milhões ao clube.

“São os primeiros passos de um novo modelo de transação no futebol brasileiro, que deverá ganhar muito espaço no mercado nos próximos anos, criando uma conexão ainda mais forte entre clubes e torcedores”, finalizou Francisley Valdevino.

LEIA TAMBÉM

VÍDEO: Jogador é expulso após derrubar torcedor que invadiu o gramado

FIFA 22: veja os melhores jogadores brasileiros do game; Neymar lidera

Narrador aponta possível dificuldade do sucessor de Tite na Seleção

Técnico de rival do Flamengo na Libertadores busca chance no Brasil

Funcionária da CBF que acusa Caboclo de assédio desabafa sobre caso: “Uma dor que nunca acaba”