Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Renê Simões revela que Jorge Jesus não vai renovar com o Benfica e que a prioridade do técnico é o Flamengo

Treinador não teria sido procurado pelo clube brasileiro ainda, segundo o comentarista

Rogério Araujo
Jornalista formado pelo Centro Universitário de Brasília - UNICEUB. Colaborador do Torcedores desde 2017. Dono do canal Séries e Filmes no Instagram.

Crédito: Reprodução

Com a situação complicada no Benfica, o técnico Jorge Jesus não vai renovar com o clube Português. Segundo o ex-treinador Renê Simões, o ‘Mister’ deve voltar ao Brasil e tem o Flamengo como prioridade.

O Flamengo busca um técnico para comandar a equipe na próxima temporada. Um dos nomes mais especulados para ocupar a vaga deixada por Renato Gaúcho é Jorge Jesus, que tem contrato com o Benfica até o meio de 2022.

“A informação que eu tenho é que o Jorge Jesus não foi contactado até o agora. Estão lá em Portugal (dirigentes rubro-negros), mas não falaram com ele. Ele não vai renovar o contrato dele com o Benfica. Não fica no clube. O destino dele é o Brasil. A prioridade é o Flamengo)”, disse Renê Simões, durante o programa “Os Donos da Bola” desta segunda-feira (20), na Band TV Rio.

Marcos Braz e Bruno Spindel, dirigentes do Flamengo, estão em Portugal para negociar a contratação de um novo técnico. Jorge Jesus está na lista de possíveis reuniões. Em entrevista nesta segunda, Braz comentou sobre o possível encontro com Jesus e ainda alfinetou o Benfica.

Muito provavelmente vou tomar café com o Jorge Jesus até ir embora, tal como sempre tomei. O Jorge tem jogos importantes aqui e está focado, mas o Jorge está com a cabeça que tem contrato com o Benfica até maio do ano que vem, mas também não é problema porque quanto o presidente do Benfica foi lá atrás do Jesus e ele também tinha contrato connosco. Não estaria a fazer nenhuma indecência porque quando ele foi lá [Luís Filipe Vieira] ele também tinha contrato. Não é um contra-ataque, tenho carinho pelos adeptos do Benfica “, disse Marcos Braz ao jornal ‘Record’, de Portugal.

LEIA TAMBÉM: