Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Djokovic pode ter manipulado teste de Covid-19 antes de ir para a Austrália; entenda

De acordo com revista alemã, existem indícios de que o exame positivo apresentado por Djokovic às autoridades australianas tenha sido fraudado

Álvaro Logullo Neto
24 anos, formado em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e, desde 2021, redator de esportes no Torcedores.com. Por aqui, um pouco de tudo: tênis, basquete, NFL, Fórmula 1, esportes olímpicos e Fiorentina... digo, futebol!

Crédito: James Ross / EPA

E a novela envolvendo Novak Djokovic e o Australian Open segue com reviravoltas bombásticass. Agora, o capítulo mais recente dá conta de que o tenista sérvio pode ter MANIPULADO um teste de Covid-19 para conseguir entrar na Austrália, embora não seja vacinado. É o que diz a revista alemã Der Spiegel.

Para jogar o Australian Open, agora em janeiro, Djokovic — que não comprovou ser vacinado contra a Covid-19 — se apoiou em uma ‘isensão’ que seria dada pelo torneio devido ao diagnóstico recente do vírus no número 1 do mundo.

Entretanto, a Der Spiegel aponta para inconsistências nas datas dos exames de Djoko, apresentadas às autoridades australianas. O tenista diz que testou positivo em 16 de dezembro, mas que já estava livre da Covid-19 seis dias depois, em 22 dezembro.

A revista, contudo, teve acesso à versão digital dos testes e concluiu que o negativo foi registrado pelo Instituto de Saúde Pública da Sérvia no dia 26 de dezembro, o que é muito incomum. O normal é que os testes sejam computados de maneira imediata. Ou seja, as datas fornecidas por Djokovic podem ter sido forjadas.

Além disso, o veículo alemão exibe prints que demonstram um resultado ‘diferente’ no teste positivo do tenista. Quando acessado anteriormente, o resultado aparecia como NEGATIVO, mas depois mudou para POSITIVO. A númeração de registro do primeiro teste (positivo) também é maior que do segundo, o que significa um conflito de dadas.

Djokovic vai jogar o Australian Open?

Enfim, a Der Spiegel conclui: “Os indícios citados indicariam que o teste negativo de Djokovic teria sido, na verdade, produzido antes do segundo teste, com resultado positivo”.

Procurado pela revista, Novak Djokovic não se pronunciou. O governo sérvio também foi consultado, mas não houve resposta. Ainda na terça, o sérvio fez um post para esclarecer ‘informações desencontradas’ de seus deslocamentos antes de chegar a Austrália (veja abaixo). Ele diz que o formulário com os dados foi preenchido pelo seu agente.

Sendo assim, o número 1 do mundo é, também, acusado de mentir sobre não ter viajado para nenhum país após o teste positivo — algo necessário para permitir sua estadia no país da Oceania.

No momento, Djoko está autorizado a jogar o Australian Open, que começa já no próximo dia 17. Mas essa história ainda pode ter muitas mudanças nos próximos dias…

LEIA MAIS:

10 fatos que marcaram o tênis em 2021

Djokovic leva título de campeão mundial da ITF pela sétima vez na carreira

Tênis: Húngaro faz o ponto mais bizarro de 2021 ‘ajudado’ pelo vento; veja

Tênis: Ex-número 4 da WTA anuncia aposentaria aos 30 anos

Douglas Costa pede desculpas à torcida do Grêmio, reconhece erros e comunica decisão sobre o futuro

Corinthians tem centroavante ‘plano B’ caso não chegue a acerto com Diego Costa

Flamengo: Paulo Sousa promove “reunião particular” com Gabigol, Bruno Henrique e Pedro

Botafogo já sabe o que fazer com parte do investimento de John Textor na SAF; confira