Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Brasileiro foi criador do saque ‘sensação’ dos anos 80 no vôlei

Jornada nas Estrelas foi idealizado por um brasileiro no vôlei de praia com objetivo de dificultar a recepção dos jogadores adversários com o sol

Luis Feitosa
Jornalista graduado e amante de futebol e futebol americano

Crédito: Getty Images

O Brasil é um dos principais países da história do vôlei pela imensa quantidade de títulos conquistados e os jogadores que fizeram parte do esporte. No entanto, o país também foi o precursor de um estilo de saque único na década de 80 e que é reproduzido até hoje em diversos países.

Siga o Torcedores no Facebook para acompanhar as melhores notícias de futebol, games e outros esportes

O idealizador do saque ‘Jornada nas Estrelas’ foi o brasileiro Bernard Rajzman na década de 1980. O ex-atleta idealizou o movimento após perceber que no vôlei de praia o sol e o vento eram um dos fatores que poderiam fazer a diferença no saque. Com isso, Bernard passou a bater embaixo da bola para o objeto ganhar altura e fazer com que os adversários passem a olhar a bola e fossem atrapalhados pela luz do sol. No entanto, o saque foi adaptado pelo próprio Bernard para as quadras onde o ex-jogador viu os refletores como os substitutos do sol.

O fundamento pelo qual Bernard ficou conhecido foi devidamente comprovado no Mundialito de 1982 no Maracanãzinho. Em vários duelos, o ex-atleta executou o movimento sendo a partida mais emblemática contra a Coréia em que foram quatro pontos seguidos com o movimento. Um dos principais ‘Jornadas nas Estrelas’ de Bernard foi dado no Maracanã em uma partida entre Brasil e União Soviética.

O duelo que já havia sido adiado pelo mau tempo na cidade teve que ser paralisado algumas vezes pela chuva. Com isso, algumas adaptações na quadra e a retirada dos calçados dos jogadores foram feitas para dar continuidade ao duelo que foi acompanhado por mais de 95 mil pessoas. Conhecido já pelo saque, Bernard foi ovacionado pela torcida que pediu para que o ex-jogador realizasse o movimento quando foi solicitado que ele o fizesse. O brasileiro acabou acertando o saque em uma altura de 25 metros e ao final da partida o Brasil venceu por 3 sets a 2.

Homenagem à Star Trek

O saque nasceu com objetivo de dificultar a vida dos adversários, mas ganhou um nome curioso. Pela altura e a velocidade que o fundamento tinha, a melhor alternativa encontrada foi chamá-lo de ‘Jornada nas Estrelas’ que é a tradução livre do título da franquia Star Trek. O saque ficou tão famoso mundialmente que ganhou reproduções de grandes nomes do vôlei nacional como Tande e Sheilla que utilizaram o fundamento em jogos importantes por clubes e pela seleção.

O saque e a adaptação

Realizar um Jornada nas Estrelas não é para todo jogador e é preciso muito treino para executar o fundamento de maneira correta. Você deve jogar a bola para o alto e bater com a parte externa da mão embaixo da bola. Com isso, a bola deve subir em uma altura suficiente para que ganhe velocidade e dificulte a recepção do adversário.

Outra possibilidade é adaptar o movimento assim como fez Adrian Carambula. O uruguaio jogava a bola girando para o alto para fazer com que o movimento fosse ainda mais letal e resultasse em ponto para sua equipe.

LEIA MAIS:

Qual equipe é a maior campeã da Superliga Masculina de vôlei?

Recém promovido à Superliga, Itajaí não paga salários há mais de três meses, e faz jogadora da seleção rifar uniforme

Bruninho revela meta ousada e sonha em jogar mais três Olimpíadas