CBF terá reunião com a FERJ para discutir a volta das torcidas aos estádios

Federação Carioca está na organização

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

A Federação de Futebol do Rio de Janeiro (FERJ) marcou uma reunião e convidou membros do Governo Federal, da prefeitura do Rio de Janeiro, da CBF e dos quatro grandes clubes do Estado para que seja iniciada a discussão sobre a volta das torcidas aos estádios.

Conheça a Bet4Plus e experimente fazer uma aposta esportiva grátis, sem necessidade de depósito

Os membros do Governo que participarão da reunião não são apenas os ligados ao esporte, mas também responsáveis por segurança e transporte, conforme publicou o jornal O Globo nesta terça-feira (15).

A FERJ mudou o posicionamento e não convidou apenas Flamengo e Fluminense, responsáveis pelo consórcio do Maracanã, mas agora envolve também Vasco e Botafogo. O representante da prefeitura será o secretário da Ordem Pública, Gutemberg Fonseca.

Acompanhe as notícias do seu time pelo Facebook

Também participarão representantes de todos os órgãos de segurança do Rio, como Guarda Municipal, Polícia Militar, Bombeiros e Vigilância Sanitária. Já foi realizada uma reunião há algumas semanas e a decisão foi de que o retorno não deveria ser já em setembro, como era o desejo de alguns participantes.

Uma das ideias da FERJ é a reabertura do Maracanã para que receba cerca de 20 mil pessoas, mesmo que as autoridades prefiram um número próximo aos 10 mil, conforme O Globo.

O Flamengo, um dos interessados, traça o plano de ter o Maracanã aberto no máximo em novembro, quando iniciam os mata-matas da Copa Libertadores.

Poucos países no mundo definiram pela volta imediata de torcedores aos estádios. A Itália uma das principais interessadas e tem feito reuniões com a FIFA para ter torcidas de volta para outubro ou novembro.

Leia mais:
Escândalo na FIFA: ex-diretor será julgado por corrupção e presidente pode ser acusado por obstrução de Justiça

De fuga e insegurança a destaque e titularidade: como Patrick de Paula saiu de comunidade no RJ para se tornar peça-chave no Palmeiras