Diretor da OMS avalia controle da Covid-19 nas Olimpíadas e traça objetivo: “Certificar que todos os casos sejam identificados”

Medidas para combater o coronavírus estão sendo seguidas rigidamente em Tóquio

Bruno Romão
24 anos, jornalista formado pela Universidade Estadual da Paraíba, amante da escrita, natural de Campina Grande e um completo apaixonado por futebol. Contato: bruno.romao.nascimento@gmail.com

Crédito: Carl Court/Getty Images

Durante sessão do Comitê Olímpico Internacional, Tedros Adhanom falou sobre a realização das Olimpíadas em meio à pandemia. Sendo assim, ele foi realista com a situação, já que o coronavírus ainda não foi controlado. Como todos os protocolos estão sendo seguidos em Tóquio, a expectativa é que todos os casos positivos sejam identificados, evitando uma contaminação em massa dentro e fora da Vila Olímpica.

“A medida de sucesso na próxima quinzena não é zero casos. A medida de sucesso é se certificar de que todos os casos sejam identificados, isolados, rastreados e tratados da forma mais rápida possível e que a transmissão adiante seja interrompida. É da minha esperança que elas (as medidas) tenham sucesso, não apenas pelo bem dos Jogos e da segurança de atletas, treinadores e oficiais mas também como uma demonstração do que é possível com os planejamentos certos e as medidas corretas”, declarou o  diretor-geral da Organização Mundial da Saúde.

Apesar da preocupação para que os efeitos da pandemia não se agravem, Adhanom também acredita que os Jogos Olímpicos podem passar uma mensagem positiva. Sendo assim, ele projetou uma meta de vacinação para que o esporte, assim como a vida, volte ao normal o mais rápido possível.

“As celebrações podem ser mais silenciosas neste ano, mas a mensagem de esperança é ainda mais importante. Que estes Jogos sejam o momento que une o mundo e acende a solidariedade e a determinação de que precisamos para acabar com a pandemia juntos, vacinando 70% da população de cada país até meados do próximo ano“, expressou.

LEIA MAIS