Mercado da Bola: Clube da Série A abre o jogo sobre Dedé e Pratto

Dupla está livre no mercado da bola para assinar com qualquer outro clube; São Paulo trata de descartar qualquer investida

Eder Bahúte
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Divulgacao/Cruzeiro

O mercado da bola segue agitado no futebol brasileiro. Ao que tudo indica, mais duas novelas devem se estender neste mês de julho. Sem clube desde que acertou a saída do Cruzeiro, Dedé já foi especulado em várias equipes da Série A. Até o momento, o destino do zagueiro é uma grande interrogação.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

É o caso também de Lucas Pratto. Na noite de ontem, o atacante rescindiu seu contrato com o River Plate. Livre, ele pode assinar com qualquer outro clube. Assim que a notícia chegou por aqui, seu nome também agitou as redes sociais.

No São Paulo, ao que parece, Dedé e Lucas Pratto não estão nos planos da atual direção de futebol. É o que garante, pelo menos, Carlos Belmonte, em contato com o jornalista Jorge Nicolal. “Nenhuma chance, descarta”, respondeu.

Veja também: Mercado da Bola: São Paulo fecha a contratação de atacante

Por outro lado, o Tricolor quer sim a contratação de Calleri. A princípio, as duas primeiras propostas foram recusadas pelo Deportivo Maldonado, clube que detém os direitos econômicos do atacante. A grande dúvida é se houve uma terceira investida pelo argentino.

Segundo o dirigente, o clube paulista ainda não apresento uma terceira proposta pelo atleta. O time uruguaio pede 48 milhões de reais pela venda, montante este que o São Paulo pensa em gastar por conta das dificuldades financeiras que é de conhecimento público.

Decisão na Libertadores

Logo mais às 21h30 (de Brasília), o São Paulo encara o Racing, no El Cilindro, em Avellaneda, pelas oitavas de final da Libertadores da América. Como ficou no 1 a 1 na ida, no Morumbi, o Tricolor precisa vencer para seguir vivo na competição. Um empate sem gols classifica os argentinos.

LEIA MAIS:

Alvo do São Paulo, Calleri define prioridade no mercado da bola