Expulsões no Gre-Nal podem gerar prejuízos financeiros a Inter e Grêmio

Além das baixas para o próximo jogo da Libertadores, Inter e Grêmio devem desembolsar quase R$ 30 mil para a Conmebol

Robson Farias
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Ricardo Duarte/S.C Internacional

O primeiro Gre-Nal da história da Copa Libertadores terminou de uma forma negativa e que deixou muitos torcedores decepcionados. Na noite da última quinta-feira (12), Grêmio e Inter entraram em campo na Arena e fizeram um bom jogo até os 40 minutos do segundo tempo, quando uma confusão fez oito jogadores da dupla serem expulsos da partida.

Você conhece o canal do Torcedores no YouTube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Tudo começou quando o lateral-esquerdo Moisés o meia-atacante Pepê discutiram após um lance de falta normal no jogo. Depois disso, o gramado da Arena ficou tomado por colorados e gremistas que armaram uma grande confusão. Confira no vídeo abaixo.

O prejuízo também será nos cofres dos clubes

As expulsões da última quinta-feira podem fazer Inter e Grêmio desembolsarem R$ 28.748,00 de multa para a Conmebol por conta das indisciplinas dentro de campo. Segundo regulamento da Libertadores (artigo 160), cada expulsão por cartão vermelho na competições equivale a 1.500,00 dólares (R$ 7.187 na cotação atual) de multa para o time do jogador. Por conta disso, a Conmebol pode faturar até  R$ 57.496,00 com a confusão do Gre-Nal 424.

Prejuizo dentro de campo para Inter e para o Grêmio

Por conta das expulsões, Inter e Grêmio não terão alguns atletas para a próxima rodada da Libertadores. Do lado gremista, Luciano, Pepê, Caio Henrique nem Paulo Miranda desfalcam o clube. Do lado colorado, Edenilson, Moisés, Victor Cuesta e Praxedes (Cartão Vermelho). Marcos Guilherme e Musto (3º Cartão Amarelo) também não jogam.

Vale destacar que a próxima rodada da Copa Libertadores não tem uma previsão de retorno já que na última quinta a Conmebol anunciou que suspenderá o torneio por tempo indeterminado por conta do novo coronavírus.

LEIA MAIS: