Patric diz que chorou com duras críticas da torcida do Atlético

Jogador deixou o Atlético e vai atuar pelo Sport na sequência da temporada

Eder Bahúte
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Bruno Cantini

O lateral Patric encerrou seu ciclo pelo Atlético na última semana, quando optou em retornar ao Sport. Durante boa parte do período que defendeu o clube mineiro, o jogador conviveu com duras críticas das arquibancadas e redes sociais.

Você conhece o canal do Torcedores no Youtube? Clique e se inscreva!
Siga o Torcedores também no Instagram

Em entrevista à Rádio Super 91,7 FM, Patric admite que chegou a chorar em alguns momentos sabendo que sua família estava ali assistindo. Entretanto, ele diz que fortaleceu e transformou ódio em carinho.

“Acho que a palavra que encaixaria bem para mim durante o meu ciclo no Atlético é resiliência. Eu soube apanhar e não revidei. Soube separar o ódio e transformar em carinho, soube ouvir palavrões tanto na rede social como no meio dos jogos, com a minha família e o meu filho assistindo. Chorei, mas isso fez com que eu me tornasse forte,  só que sem deixar de ser um ser humano”.

Quem chega e quem sai dos clubes?

 

Apesar das vaias, Patric sempre teve moral com a maioria dos treinadores que por lá passaram. Aguirre, por exemplo, que dirigiu o Atlético em 2016, tentou levá-lo para o São Paulo dois anos depois, quando estava no time paulista.

“Lembro de um jogo em que os torcedores estavam vaiando a mim e alguns outros jogadores. No intervalo, eu cheguei ao vestiário e disse que podia deixar me vaiarem, que era para concentrar tudo em mim para que eles pudessem jogar futebol e desfrutar. Muitos não concordaram na hora, inclusive o diretor, perguntaram se eu estava louco. Quando era vaiado, não achava que era o pior. Quando era aplaudido, não pensava que era o ‘Pelezão'”, relembrou.

Com a camisa do Atlético, Patric realizou 187 jogos, com 12 gols marcados. Foi Campeão Mineiro de 2015.

LEIA MAIS:

Lista de dispensa? Diretor do Atlético-MG abre o jogo sobre Cazares

Mattos diz que situação financeira dos clubes é desesperadora e faz alerta