Marinho se indigna com assassinato de homem negro no RS e cobra punição: “bandidos serão presos?”

Atacante do Santos foi mais um a repudiar o atacante de dois seguranças brancos

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Reprodução/Instagram

O assassinato de João Alberto Silveira Freitas, no supermercado Carrefour Passo D’Areia, em Porto Alegre, repercutiu também no mundo do futebol e ganhou coro com Marinho, atacante do Santos, em protesto contra o ataque de dois seguranças brancos.

O homem negro de 40 anos discutiu com uma funcionária do supermercado e foi retirado pelos dois seguranças, que o agrediram na porta do estabelecimento e o espancaram por sete minutos até sua morte.

No Instagram, Marinho reforçou os protestos e se revoltou com a agressão a João Alberto, que era fã de futebol e fazia parte da torcida organizada do São José-POA.

Acompanhe as notícias do seu time do coração pelo Facebook

Leia a publicação de Marinho:

“Dia da consciência negra ✊🏾 talvez eu fico pensando que só existe no calendário, e pra postar foto dizendo que Vidas Negras importam, na prática sabemos que é tudo ao contrário, notícia absurda que temos da morte do seu João Alberto ontem no estacionamento do @carrefourbrasil em Porto Alegre aí eu pergunto, quando vai ter punição severa, os bandidos vão ser preso ? Ou vão pagar fiança e ser solto pra cometer outro crime .
Reflexo de uma sociedade preconceituosa pra Cara&$:;/.”

https://www.instagram.com/p/CH0bhyoH_2u/

O Dia da Consciência Negra é comemorado no Brasil justamente no dia 20 de novembro. Vale lembrar que Marinho já foi alvo de ataques racistas de um repórter após partida do Santos há alguns. Na ocasião o atleta protestou e foi às lágrimas em suas redes sociais.

Além do jogador do Santos, outro atleta que protestou foi o atacante Richarlison, do Everton e da Seleção Brasileira. O atleta pediu respostas sobre o caso e se revoltou nas redes sociais.

Leia mais:
Richarlison se revolta após homem negro ser espancado até a morte no Carrefour

Seleções sul-americanas devolvem 15 jogadores com Covid-19 e três lesionados para os clubes