Milton Neves detona Flamengo e crava: “time de Jesus foi acidente de percurso”

Português deixou o Fla durante a pandemia para assumir o Benfica

Matheus Camargo
Colaborador do Torcedores.com.

Crédito: Alexandre Vidal/Flamengo

O apresentador e colunista Milton Neves, da Band e do UOL, usou seu blog nesta quarta-feira (2) para detonar o Flamengo após a eliminação para o Racing na Copa Libertadores e cravar: o time de Jorge Jesus, campeão brasileiro e da Libertadores em 2019, foi puro acidente de percurso.

Conheça a 1xBet:

Um novo jeito de fazer sua aposta esportiva!

A opinião vai de encontro a outros colunistas, que em uma análise não tão profunda viram a diferença das ideias de grupos políticos do Flamengo na busca de um treinador. Desde a eleição de Rodolfo Landim como presidente, no fim de 2018, o clube teve Abel Braga como treinador, depois buscou Jorge Jesus, Domènec Torrent e agora Rogério Ceni. Perfis totalmente diferentes para comandarem o milionário elenco montado no ano passado.

“Ainda com Jorge Jesus, o Fla venceu o Carioca com as calças nas mãos. Sem JJ, a coisa ficou ainda pior com Domènec Torrent, o “Murtosa do Guardiola”. E nem Rogério Ceni, o melhor técnico brasileiro em atividade, conseguiu salvar a temporada flamenguista”, escreveu o polêmico colunista.

“Agora, que venha 2021, já que o Brasileiro também parece um sonho distante. Mas, no frigir dos ovos, a conclusão é que o maravilhoso Flamengo de 2019 foi mera obra do acaso.”

O apresentador do Terceiro Tempo, da Band, porém defendeu que é hora de dar tempo para Rogério Ceni trabalhar e tentar “salvar” o elenco para o ano que vem. Milton Neves ainda comparou com Fernando Diniz, a quem confessou ter criticado e que ajustou o São Paulo após vários meses de críticas.

“É fato também que os cartolas da Gávea precisam refletir sobre o seguinte ponto. Fernando Diniz só está ‘ornando’ no São Paulo agora, depois de ‘trocentas’ bordoadas da torcida e da imprensa, inclusive minhas. Por isso, é preciso dar tempo ao vencedor Rogério Ceni”, completou.

Leia mais:
De fuga e insegurança a destaque e titularidade: como Patrick de Paula saiu de comunidade no RJ para se tornar peça-chave no Palmeiras