Torcedores – Notícias Esportivas

Fórmula 1: Raikkonen detona categoria e diz estar feliz longe de ‘falsidade’

Aposentado, o campeão mundial da F1 em 2007, Kimi Raikkonen, não parece ter muitas saudades do dia a dia do esporte

Álvaro Logullo Neto
24 anos, formado em Jornalismo pela Universidade de São Paulo e, desde 2021, redator de esportes no Torcedores.com. Por aqui, um pouco de tudo: tênis, basquete, NFL, Fórmula 1, esportes olímpicos e Fiorentina... digo, futebol!

Crédito: Xavi Bonilla / DPPI / Alfa Romeo

O finlandês Kimi Raikkonen se aposentou da Fórmula 1 ao final da última temporada, aos 42 anos de idade. Foram 19 temporadas completas na categoria, desde 2001, e um título conquistado com a Ferrari, em 2007. No entanto, a gloriosa carreira não parece fazer Raikkonen sentir saudades dos seus tempos de piloto na categoria.

Aliás, muito pelo contrário! Em entrevista recente ao Motorsport.com., o finlandês disse estar ‘aliviado’ por não fazer mais parte do mundo da F1: “Mentalmente, é muito bom estar fora de toda essa besteira por um tempo. Há muitas coisas que não fazem sentido, pelo menos na minha cabeça, sobre o que acontece [na Fórmula 1]”

Embora não tenha esclarecido sobre o que, exatamente, estava falando, Raikkonen afirmou que há muita ‘falsidade na F1. Além disso, também comentou sobre o ‘peso’ do dinheiro nos rumos da categoria.

“Há muitos tipos de besteira que circulam. Nós sabemos, mas ninguém diz. Coisas que eu acho que nem deveriam ser. Muitas coisas ali são falsas. Há muito mais [besteira] do que as pessoas veem de fora”, disse o ex-piloto.

“Com certeza, o dinheiro desempenha um papel importante. Acho que as pessoas querem ter poder.  Também acho que haveria muitos políticos bons ali  [na F1] que se sairiam bem na política real. Sei de muitas coisas que acontecem, mas não quero estar nisso. Se você se envolve todos os dias, não acho que seja saudável”, completou.

A carreira de Kimi Raikkonen na F1

Raikkonen entrou na Fórmula 1 em 2001, aos 22 anos de idade. Na opinião do finlandês, naquela época, tratava-se mais de ‘corridas legítimas’ e menos política, como ele mesmo caracteriza: “Tem sido assim por muitos, muitos anos. Mas talvez as pessoas percebam mais agora”, afirma o ex-piloto da Alfa Romeo na última temporada.

Enfim, Kimi Raikkonen iniciou sua carreira na Sauber, em 2001. Depois, foram cinco anos na McLaren antes de se juntar à Ferrari, em 2007. Logo no eu ano de estreia na escuderia italiana, portanto, o finlandês já faturou o título — que veio de maneira improvável, no GP derradeiro daquela temporada.

Após a temporada de 2009, contudo, Raikkonen decidiu fazer uma pausa na carreira. Ficou por três anos longe das pistas da F1, mas retornou pela equipe Lotus, em 2012. Bastaram dois anos após o retorno, porém, para que o finlandês estivesse, de novo, em um carro da Ferrari. Ele passou mais cinco temporadas pela italiana.

Os últimos três anos de Raikkonen foram a cargo da Alfa Romeo, equipe nova no grid da Fórmula 1. Após dois desempenhos discretos, entretanto, o finlandês decidiu colocar novamente um ponto final na trajetória na F1. Ele era o piloto mais velho da categoria, até então, com 42 anos.

LEIA MAIS:

F1: Mercedes já resolveu ‘problema’ causado por novo combustível; entenda

Em forma! Verstappen já está treinando para defender o título da Fórmula 1; veja

Toto Wolff aprova equilíbrio na F1: “Ninguém andará 1 segundo à frente”

F1: Consultor rebate ex-piloto sobre carro da Red Bull estar ‘atrasado’

Cr7 pode ter redução de 25% em seu salário no Manchester United; veja motivo

Robinho na Interpol, surpresa na Seleção e reforço no Flamengo: as notícias de hoje

CBF exigirá vacinação completa contra a Covid-19 no futebol brasileiro

Fifa rasga elogios a Endrick e compara sensação do Palmeiras com craques brasileiros