Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Dirigente de gigante da Série A surpreende sobre Paulinho: “Deve vir”

Futuro de Paulinho é a mais nova novela neste mercado da bola

Eder Bahúte
Jornalista e assessor de imprensa.

Crédito: Divulgacao/Al Ahli

Livre no mercado da bola, Paulinho passou a ter seu nome especulado em algumas equipes no Brasil. No último final de semana, o Al-Ahli, da Arábia Saudita, anunciou em suas redes sociais a rescisão de contrato com o brasileiro de 33 anos. Jogador e clube tomaram a decisão em comum acordo.

Aniversário CLUBE EXTRA

Clique e veja as melhores promoções!

No momento, existem grandes chances de Paulinho reforçar o Corinthians. Contudo, isso só poderá acontecer na próxima temporada. A janela de transferências do Brasil está fechada e, assim, o volante só poderia voltar ao país em 2022.

Ao que parece, Paulinho deverá mesmo vestir a camisa do Timão. Pelo menos, há otimismo no alvinegro. “Ele deve vir sim para o Corinthians”, declarou um membro da diretoria do Corinthians ao jornalista Jorge Nicola. “O Paulinho pode fechar com a gente e ficar treinando para estar entrosado com os companheiros em 2022”, completou.

Pelo Corinthians, Paulinho marcou 34 gols em 167 partidas. Também, é o volante com mais gols anotados com a camisa do Brasil, 13 no total, em 56 partidas. Neste período, conquistou Paulistão, Campeonato Brasileiro, Libertadores e Mundial de Clubes.

Antes de partir para a Arábia, Paulinho teve seu nome cogitado em outras equipes do Brasil. Red Bull Bragantino e Grêmio sondaram a situação do atleta.

Caso feche com o Corinthians, Paulinho se juntará ao demais ‘galácticos’ que chegaram recentemente ao clube paulista. Casos de Renato Augusto, Giuliano, Roger Guedes e Willian.

LEIA TAMBÉM:

Rio de Janeiro terá liberação de 50% de público para eventos esportivos

Dani Alves, Paulinho… 7 medalhões brasileiros que estão livres e agitam no Mercado da Bola

Globo toma atitude após gafe cometida em Vasco x Cruzeiro

CBF confirma Marta como maior artilheira da seleção à frente de Pelé e Neymar; veja números