Home Mídia Esportiva PVC detona clubes após recusa pela venda de direitos do Brasileirão ao exterior

PVC detona clubes após recusa pela venda de direitos do Brasileirão ao exterior

Para o comentarista, clubes estão “jogando no lixo” o que foi feito nos últimos quatro anos em relação à divulgação

Matheus Camargo
Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), colaborador do Torcedores.com desde 2016. Radialista na Paiquerê 91,7.
PVC, jornalista

Paulo Vinícius Coelho, o PVC (IMAGO / Fotoarena)

O Brasileirão Série A pode não ter mais seus jogos transmitidos para vários países do exterior após quatro anos. Isso porque, segundo o repórter Paulo Vinícius Coelho, o PVC, os clubes brasileiros recusaram uma proposta das empresas Zeus e 1190, que estavam vendendo os direitos para fora do país.

PUBLICIDADE

Em sua coluna do UOL Esporte, PVC revelou que a proposta era de 8,5 milhões de dólares, que em valores convertidos chega a R$ 42,6 milhões.

Conforme a publicação, os clubes brasileiros acharam o valor baixo, mas PVC logo lembrou do início da divulgação de campeonatos europeus na América do Sul, que eram “quase de graça”.

PUBLICIDADE

“Brasil está jogando no lixo quatro anos de divulgação internacional”, intitulou PVC em sua coluna. Ele então discorreu:

“O Brasileirão ainda passa como complemento de programação em países da elite dos clubes, como Inglaterra, Itália e Espanha. Mas é transmitido ao vivo em Portugal e alcançou mais de 100 países. A 24 dias do início do Brasileirão, contrato encerrado com Zeus e 1190, empresas que negociaram esses direitos nos últimos quatro anos, há relatos de executivos de televisão do exterior querendo comprar o Brasileirão e sem ter com quem negociar. Uma parte do problema é a divisão das ligas. Outra é a miopia”, criticou o jornalista do UOL.

PVC seguiu com as críticas aos clubes brasileiros

O comentarista lembrou a “formação de uma cultura” com a chegada da Premier League ao Brasil há mais de 20 anos com a ESPN.

“É pouco dinheiro, mas e daí? Alguém se lembra como a Premier League começou a entrar no mercado sul-americano? Os direitos de TV de Manchester United, Arsenal, Chelsea, Tottenham eram quase dados de graça”, escreveu PVC, que logo concluiu:

PUBLICIDADE

“Hoje, ninguém vive sem a Premier League em nenhum lugar do mundo. Custa caro. Atualmente custa caro. Há vinte anos, era baratinho e formou a cultura de uma geração.”