Home Esportes Olímpicos Com dois brasileiros, WSL define surfistas que estarão nas finais em Trestles

Com dois brasileiros, WSL define surfistas que estarão nas finais em Trestles

Os brasileiros Filipe Toledo e João Chianca brigarão pelo título mundial de surfe de 2023

Thais May Carvalho
Jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero e mestranda de Ciências da Comunicação na Universidade de São Paulo, sou colaboradora do Torcedores.com desde 2020. Escrevo sobre diversas modalidades, com foco mais voltado para futebol americano, beisebol, surfe, tênis, futebol, hóquei no gelo e basquete.
Surfista Filipe Toledo

Surfista Filipe Toledo em prova em San Clemente, na Califórnia (IMAGO/ZUMA Press)

PUBLICIDADE

Com o encerramento das dez etapas em Pipeline, Sunset, Portugal, Bells Beach, Margaret River, Surf Ranch, El Salvador, Rio de Janeiro, Jeffreys Bay e Tahiti, os nomes dos cinco homens e das cinco mulheres que vão disputar a WSL Finals de 2023 foram definidos.

TOP 5 MASCULINO

Os cinco homens que garantiram seu lugar no top cinco foram: 1° Filipe Toledo (Brasil), 2° Griffin Colapinto (Estados Unidos), 3° Ethan Ewing (Austrália), 4° João Chianca (Brasil) e 5° Jack Robinson (Austrália).

Dentre eles, Toledo é o único que já ganhou um campeonato mundial com o título de 2022. Neste ano, o brasileiro foi o surfista com melhores resultados, com vitórias em Sunset, El Salvador e J-Bay. Ele também é o surfista mais experiente neste formato das finais, sendo o único do lado masculino a ter participado das três edições.

Enquanto isso, o outro brasileiro, João Chianca, é o único entre os cinco que nunca havia participado da WSL Finals. Apesar de ter feito o pior resultado da temporada no Tahiti, Chumbinho teve seu melhor ano no tour – ele venceu a primeira etapa da carreira em Portugal e ainda chegou a outras três semis. 

PUBLICIDADE

Para se classificar entre os cinco melhores do ranking, Jack Robinson precisou se sagrar campeão em Teahupoo, o que tirou Medina das finais. Além da vitória na última etapa, o australiano, que teve um ano de altos e baixos, também venceu a primeira competição do ano, em Pipeline.

Se Robinson brigou até o último momento pela sua vaga, o compatriota Ethan Ewing já estava classificado e nem precisou ir ao Tahiti. Com a vitória em Bells Beach e dois vices nas últimas duas etapas, ele já havia garantido seu lugar no top 5.

Por fim, Griffin Colapinto, que venceu no Surf Ranch e chegou a outras três finais no ano, também carimbou seu passaporte para Trestles.

TOP 5 FEMININO

No lado feminino, as cinco mulheres classificadas para a WSL Finals foram: 1° Carissa Moore (Havaí), 2° Tyler Wright (Austrália), 3° Caroline Marks (Estados Unidos), 4° Molly Picklum (Austrália) e 5° Caitlin Simmers (Estados Unidos).

PUBLICIDADE

Pelo terceiro ano consecutivo, Carissa Moore chega a Trestles como a primeira colocada do ranking e assim tenta seu sexto título mundial. Em 2023, a havaiana venceu três campeonatos: Pipeline, Margaret River e Surf Ranch. Além da vantagem de chegar com a camisa amarela, ela é a única das cinco surfistas que já participou da WSL Finals.

Mesmo nunca tendo se classificado neste formato, Tyler Wright é a outra surfista com mais experiência no grupo, tendo vencido dois mundiais. Este ano, a australiana venceu a etapa de Bells Beach e chegou a outras quatro finais, tendo perdido duas delas para Moore.

Caroline Marks deve chegar quente em Trestles. A americana venceu duas das últimas quatro etapas do ano: El Salvador e Teahupoo.

Em seu segundo ano no tour, Molly Picklum chegou a ser líder do ranking e foi a três finais, tendo vencido o título em Sunset. Esta é uma grande evolução em relação a 2022, quando não conseguiu se classificar no corte do meio do ano.

PUBLICIDADE

Já Caitlin Simmers, a melhor novata do ano, garantiu seu lugar no top 5 com a primeira colocação em Portugal e no Rio de Janeiro, além do vice no Tahiti.

COMO FUNCIONA A FINAL DA WSL 

A Rip Curl WSL Finals acontece entre os dias 8 e 16 de setembro nas ondas de Trestles, na Califórnia. Este formato, que estreou na temporada de 2021, funciona da seguinte maneira:

Round 1: 5° vs 4° colocado(a) do ranking mundial

Round 2: vencedor(a) do round 1 vs 3° colocado(a) do ranking

PUBLICIDADE

Round 3: vencedor(a) do round 2 vs 2° colocado(a) do ranking

Final: vencedor(a) do round 3 vs 1° colocado(a) do ranking

Os três primeiros rounds são uma bateria única. Já a grande final é uma disputa melhor de três.