Torcedores | Notícias sobre Futebol, Games e outros esportes

Olimpíadas de Tóquio: conheça o basquete 3×3, um dos esportes estreantes

Desenvolvido ainda neste século, a modalidade está em crescimento e integrará o cronograma olímpico também em Paris 2024

Thiago Chaguri
Colaborador do Torcedores

Crédito: Divulgação/Tokyo 2020

Estreante em Jogos Olímpicos nesta edição de Tóquio 2020, o Basquete 3×3 surgiu há pouco tempo, ainda neste século. Nasceu sob a inspiração do Streetball tanto na semelhança do formato de jogo, quanto no visual, adotando um estilo mais urbano e descolado. A modalidade ganhou popularidade na década passada, chamando atenção do COI (Comitê Olímpico Internacional), que anunciou sua inclusão em 2017.

Origem do Basquete 3×3

A FIBA, em meados dos anos 2000, deu os primeiros passos visando popularizar o esporte. Organizou em 2007 o primeiro evento teste durante o Asian Indoor Games (Jogos Asiáticos em Local Coberto) em Macau, na China. Em 2010, inseriu a modalidade nos Jogos Olímpicos da Juventude, realizado em Cingapura. O sucesso levou a entidade a desenvolver melhor suas regras e promover mais competições em seu calendário.

Aproveitando o embalo, em 2011 criou o FIBA 3×3 World Tour, torneio realizado até os dias atuais. Em 2012, na cidade de Atenas, houve a primeira edição da Copa do Mundo da categoria, desde então disputada a cada dois anos.

Com a popularidade crescendo mesmo em pouco tempo de profissionalização, a FIBA recebeu uma grande notícia em 2017: O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou oficialmente a inclusão da modalidade para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, com disponibilidade de vagas para oito países nas categorias masculina e feminina.

No Brasil, há duas entidades responsáveis por organizar as competições: a CBB (Confederação Brasileira de Basquete) e a ANB (Associação Nacional de Basquete 3×3), criada em 2007, que também possui aprovação da FIBA.

Regras básicas

O 3×3 possui medidas próximas à metade do tamanho da quadra do basquete convencional, com os mesmos 15 metros de largura. Porém, tem 11 metros de comprimento, sendo menor em três metros.

As demarcações originais das linhas de lance livre, do arco e do semicírculo abaixo da tabela foram mantidas. No lugar dos cinco jogadores, as equipes possuem três (como indicado pelo próprio nome) e mais um reserva, que precisa tocar na mão do companheiro para efetivar a substituição.

Vence a equipe que marcar 21 pontos primeiro. Caso o placar não alcançar essa marca, é declarado vencedor quem tiver a maior pontuação dentro do limite máximo de duração do jogo, que é de 10 minutos. Havendo prorrogação, o triunfo vai para a equipe que abrir vantagem de dois pontos.

Em quadra, ficam dois oficiais de jogo para arbitrar a partida, além dos responsáveis por marcar tempo e placar. Abaixo, as principais regras básicas para o entendimento do esporte:

– A primeira posse, diferente do basquete tradicional, disputada com bola ao alto, é decidido no cara ou coroa;

– O pedido de tempo técnico para cada equipe tem duração de 30 segundos;

– A duração de posse de bola é de apenas 12 segundos para efetuar o ataque;

– Os arremessos dentro do arco valem um ponto. Fora deste perímetro, valem dois pontos;

– Quando estiver em situação de defesa e recuperar a bola através de rebotes, tocos, roubos de bola ou sofrer cestas, as equipes terão de sair do arco para poder iniciar seu ataque;

– Resulta em um lance livre quando o atleta sofre falta dentro do arco e dois lances livres quando estiver fora

– Após a sexta falta, haverá cobrança de dois lances livres. A partir da décima falta, a equipe tem direito a dois lances livres mais a posse de bola;

– Não existe limite de faltas individuais. No entanto, se o atleta cometer duas faltas antidesportivas será ejetado;

Cronograma olímpico

A competição 3×3 se inicia logo no dia seguinte à abertura do evento, em 24 de julho, com duração até o dia 28 e será disputada no complexo Aomi Urban Sports Avenue.

Na chave masculina, estarão presentes: Bélgica, China, Holanda, Japão, Letônia, Polônia, Rússia (ROC) e Sérvia.

Pelo lado feminino China, Estados Unidos, França, Japão, Itália, Mongólia, Romênia e Rússia (ROC) disputarão as medalhas.

Devido a condenação em casos de acobertamento de doping imposta pela Wada (Agência Mundial Antidoping), a Rússia disputará a olimpíada de Tóquio sob a sigla ROC, em referência ao Comitê Olímpico Russo.

Sistema de competição

O modelo da competição para cada gênero terá o seguinte formato:

– Oito seleções estarão em uma única chave e jogarão entre si

– Cada equipe jogará duas vezes ao longo de três dias e no quarto dia da disputa fará seu último jogo da fase de classificação

– 1º e 2º lugares estarão qualificados diretamente para as semifinais

– Do 3º ao 6º lugares se classificam para as quartas-de-final, onde o 3º enfrenta o 6º e o 4º encara o 5º

– As duas piores classificadas (7º e 8º no grupo) estarão eliminadas

– No quarto dia, além do último jogo da fase de grupos, será disputada também as quartas-de-final

Para finalizar, o quinto dia será dedicado às semifinais e às decisões de medalhas.

 

 

LEIA MAIS:

Olimpíadas: Tenista Naomi Osaka acende a pira olímpica de Tóquio

Olimpíada de Tóquio: Veja como foi a Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos