Autuori critica jogos às segundas no SporTV; Galvão Bueno rebate

Paulo Autuori, técnico do Atlético-PR, não engoliu a decisão da CBF em marcar jogos às segundas-feiras e deixou clara a sua insatisfação no programa “Bem, Amigos”, do SporTV, instantes após a importante vitória do seu time sobre o Cruzeiro (3 a 0), no Mineirão. O treinador ainda criticou o calendário de jogos do futebol brasileiro.

Rafael Alaby
Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)

Crédito: Foto: Reprodução/SporTV

LEIA MAIS:
Jogos de Corinthians e Botafogo rendem as piores audiências do Brasileirão à Globo 
Casagrande critica omissão de jogadores nas discussões políticas: “É cômodo ficarem quietos” 

“Eu prefiro estar aí [no estúdio] às segundas-feiras, e não acompanhando jogo. Com todo respeito, não é nada pessoal. Mas falo mesmo porque vocês me conhecem. Me preocupa a vulgarização do futebol, todos os dias com jogos”, iniciou educadamente o seu discurso, no cenário montado pela emissora nos vestiários do Mineirão.

“Não estamos habituados a discutir conceitos. E a tendência com isso é o crescimento de um todo. O verdadeiro e o absoluto não existe, mas a gente pode fazer de tudo pra buscá-lo”, completou.

Galvão Bueno discordou da posição de Autuori em relação aos jogos às segundas e defendeu que a “Segunda-Campeã” traz audiência e maior exposição a patrocinadores. Vale dizer que na segunda-feira passada, na estreia do novo dia e horário, no duelo entre Sport x Palmeiras, o SporTV conseguiu a segunda maior audiência no ano na TV por assinatura, perdendo apenas para a final da Copa América Centenário entre Chile x Argentina, disputada no final de junho.

“A ideia da ‘Segunda Campeã’ primeiro começa pelo horário, das 20h, que todo mundo acha o horário muito bom e os resultados de público e audiência foram muito bons. Começa pela possibilidade do contato direto, que não existia assim, do técnico e dos jogadores com seus torcedores, com seu público e também de uma reclamação dos clubes de que pouco aparece o patrocinador E você sabe bem, o seu salário, também o meu, de todo mundo, tudo é pago, no fim das contas, pelo patrocinador e pela televisão”, justificou o apresentador da atração.

Autuori ainda disparou contra o calendário de jogos e disse ser impossível os times jogarem com alta intensidade em um intervalo com menos de 96 horas entre um jogo e outro.

“Não é o fato de jogar na segunda, terça, quarta, quinta ou na sexta. Nós podemos jogar desde que seja uma coisa mais racional e que permita aos jogadores e treinadores trabalharem e recuperarem para uma situação que todo mundo fala do futebol brasileiro: alta intensidade. Está provado que se você não recupera a tua capacidade em jogar em alta intensidade com menos de 96 horas”, explicou.

“Na CBF alguém estuda isso? Não, não há. Precisamos ser mais respeitados como profissionais. Por essas e outras, o Bom Senso não vai continuar porque o sistema não permite”, encerrou. Galvão convidou o treinador para voltar a discutir sobre o tema nos estúdios de São Paulo.